Planejamento Anual De Teatro

PLANEJAMENTO PLANEJAMENTO 1º SEMESTRE DE 2016 EMEB: Lopes Trovão e EMEB: Sylvia a!e""i ED#$ADOR SO$%AL: &er!a!'o A()(s"o Dela*io Ro'ri)(es $OORDENADORA: $OORDENADORA: Eri+a 'a Pe!,a e silva Alves $(s"-'io O&%$%NA: TEATRO 1. OBJET%.OS /ERA%S: Possibilitar o aprendizado da estrutura básica teatral no que concerne à construção dramatúrgica e visual de cena. 2. J#ST%&%$AT%.A: É a partir dos sete anos que a criança consolida a construção de seu pensamento simbólico. O teatro e seu jogo simbólico pode ajudar no reconecimento que a criança tem de si! do mundo e das relaç"es sociais. #egundo Olga $everbel %&P'( )&*&##+,! -uliana! //01! teatro 2 a arte de manipular os problemas umanos! apresentando3os e equacionando3os. & autora de4ende a 4unção eminentemente educativa! e destaca que a instrução no teatro ocorre atrav2s da diversão. &ssim o jogo simbólico impulsiona o desenvolvimento emocional! intelectual e moral da criança! al2m de corresponder  e concretizar simbolicamente seus desejos e anseios proporcionando uma marca gradativa das próprias e5peri6ncias e descobertas. +sso porque possui uma concepção totalizante que implica e compromete todas as potencialidades do indiv7duo e permite o alcance da plenitude da dimensão social com o desenvolvimento da auto3e5pressão e da inter3relação. É no jogo teatral que a criança! partindo da percepção de si própria! investiga e trans4orma o ambiente e as relaç"es. )omo temática transversal serão abordados aspectos culturais dos povos sul3americanos! de maneira a valorizar e apro4undar o conecimento destas culturas! ampliando o acesso de re4er6ncias est2ticas! contribuindo para a diversidade! auto3conecimento auto3conecimento e valorização de culturas regionais. 3. O #E ESPERA #E OS AL#NOS APRENDAM:  $econecer os códigos dramatúrgicos básicos como personagem! situação dramática e des4eco e t2cnicos como arte! sonoplastia! cenogra4ia.  (esenvolver a consci6ncia corporal em especial a abilidade motora 4ina8  9stimular a consci6ncia espacial8  (iversi4icar o re4erencial est2tico3cultural8  *alorizar culturas autóctones da &m2rica do #ul8  +nteragir socialmente em grupo8  Praticar a auto3e5posição8  Proporcionar a prática artesanal na construção dos objetos c6nicos! bem como do cenário! 4igurino! sonoplastia e demais necessidades t2cnicas8  9laborar e respeitar regras básicas de conviv6ncia e de sustentabilidade ambiental8  $ealizar uma mostra do projeto :9&:$O 9; )&++o9Fa"+,GvHv8LERIa7*O consulta em F3/3/FK BAKT%N MiI,ail> A Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento: O Contexto de François Rabelais  São Pa(lo: A!!a*l(9e(+i"e+ 2002 BOAL A()(s"o> O arco!"ris do dese#o: método $oal de teatro e terapia%  RE$ORD 1??6 &A.RE e!ri> A $iviliaão %!+a 5AAR ERRERO Mari!a e #lisses &ERNANDES> &o'os ( $rincadeiras Do Po)o *alapalo E'ies Ses+ São Pa(lo 2010 KO#DELA %!)ri' Dor9ie!> &o'os +eatrais São Pa(lo: Perspe+"iva 2001 LOP(,% &oana Pe'a +eatro% PAPIR-,% ./0/ +A$LADO D( ARR-AR +eatro de Rua em Mo)imento .! ,1o Paulo% Cooperati)a Paulista de +eatro% 2334 PROJETO S#STENTAB%L%DADE 1>OBJET%.O Dese!volver +o9 as +ria!as (9a ,or"a 'e ali9e!"os 2>J#ST%&%$AT%.A $o!si'era!'o a !e+essria preo+(paão e +o!s+ie!"iaão so*re as +o!se(Q!+ias 'a aão ,(9a!a so*re o 9eio a9*ie!"e e a 'e)ra'aão 'es"e so* a eploraão ,(9a!a *(s+a9os (9a 9a!eira 'e i!"ro'(ir (9 !ovo ol,ar para a relaão +o9 a !a"(rea> No espao ao!'e "e9os !ossas oi+i!as per+e*e9os (e eis"e (9a rea 'e "erra (e po'eria se "ra!sor9ar e9 (9a ,or"a> Pe!sa!'o e9 es"a*ele+er (9 'ilo)o +o9 as +ria!as a respei"o 'a ali9e!"aão e pro'(ão 'e ali9e!"os +o9o "a9*9 'a relaão 'e +o!s(9o e pro'(ão 'e lio +o9eare9os a realiaão 'e (9a ,or"a +o9 '(as "(r9as (e ae9 a 9es9a oi+i!a '(as vees por se9a!a> Por"a!"o e9 (9 'os 'ias elas realiarão pla!"io a'(*aão +o9pos"a)e9 e 'e9ais +(i'a'os !e+essrios para a ,or"a e +o!"a9os +o9 as o("ras "(r9as 'irias para aer a re)a 'a ,or"a> 7> OBJET%.OS ESPE$&%$OS 4 +o!s+ie!"iar aspe+"os 'a relaão ser ,(9a!o e 9eio a9*ie!"eU 4 pes(isar e apli+ar "+!i+as 'e +(l"ivo +aseiroU 4 pes(isar e +o!s"r(ir (9a +o9pos"eiraU 4 pes(isar e realiar o pla!"io 'e (9a ,or"aU 4 'ese!volver a se!si*ili'a'e para +o9 a ali9e!"aão !a"(ralU 4 es"i9(lar a 'i9i!(ião 'o +o!s(9o 'e pro'("os i!'(s"rialia'osU 4 propi+iar o +o!"a"o +o9 !oes 'e pl a!"io e pro'(ão 'e ali9e!"os !a"(rais> 8> METODOLO/%A  A ideia inicial é 5ue toda a pes5uisa e plane#amento se#am reali6ados com as crianças atra)és de nossa orientaç1o% portanto% o crono'rama e a a5uisiç1o de recursos necess7rios ser1o pensados em con#unto com as turmas% buscando desen)ol)er estraté'ias para conse'uirmos reali6ar  o pro#eto em colaborati)amente
View more...
   EMBED

Share

Preview only show first 6 pages with water mark for full document please download

Transcript

PLANEJAMENTO 1º SEMESTRE DE 2016

EMEB: Lopes Trovão e EMEB: Sylvia zanetti

EDUCADOR SOCIAL: Fernando Augusto Delabio Rodrigues

COORDENADORA: Erica da Penha e silva Alves Custódio

OFICINA: TEATRO

1. OBJETIVOS GERAIS:
Possibilitar o aprendizado da estrutura básica teatral no que concerne à construção dramatúrgica e visual de cena.

2. JUSTIFICATIVA:

É a partir dos sete anos que a criança consolida a construção de seu pensamento simbólico. O teatro e seu jogo simbólico pode ajudar no
reconhecimento que a criança tem de si, do mundo e das relações sociais. Segundo Olga Reverbel (APUD CAVASSIN, Juliana, 2008), teatro é a arte de
manipular os problemas humanos, apresentando-os e equacionando-os. A autora defende a função eminentemente educativa, e destaca que a instrução
no teatro ocorre através da diversão. Assim o jogo simbólico impulsiona o desenvolvimento emocional, intelectual e moral da criança, além de corresponder
e concretizar simbolicamente seus desejos e anseios proporcionando uma marcha gradativa das próprias experiências e descobertas. Isso porque possui
uma concepção totalizante que implica e compromete todas as potencialidades do indivíduo e permite o alcance da plenitude da dimensão social com o
desenvolvimento da auto-expressão e da inter-relação. É no jogo teatral que a criança, partindo da percepção de si própria, investiga e transforma o
ambiente e as relações.

Como temática transversal serão abordados aspectos culturais dos povos sul-americanos, de maneira a valorizar e aprofundar o conhecimento
destas culturas, ampliando o acesso de referências estéticas, contribuindo para a diversidade, auto-conhecimento e valorização de culturas regionais.

 Elaborar e respeitar regras básicas de convivência e de sustentabilidade ambiental. sonoplastia.3. do personagem e do cenário. sonoplastia e demais necessidades técnicas.  Interagir socialmente em grupo. QUAIS AS AÇÕES QUE IRÃO MEDIAR O ENSINO-APRENDIZAGEM DO ALUNO O ensino será dividido em dois trimestres. cenografia.  Estimular a consciência espacial.  Desenvolver a consciência corporal em especial a habilidade motora fina.  Diversificar o referencial estético-cultural. bem como do cenário.  Construir coletivamente uma coreografia para o Desfile Cívico.  Valorizar culturas autóctones da América do Sul. No primeiro trabalharemos com o projeto TEATRO EM CAIXAS. No segundo passaremos para a construção coletiva de movimentação .  Realizar uma mostra do projeto TEATRO EM CAIXAS. figurino. situação dramática e desfecho e técnicos como arte.  Proporcionar a prática artesanal na construção dos objetos cênicos. com técnicas de marionetes para auxiliar na aprendizagem da construção da dramaturgia. O QUE ESPERA QUE OS ALUNOS APRENDAM:  Reconhecer os códigos dramatúrgicos básicos como personagem. 4.  Praticar a auto-exposição.

No segundo semestre daremos sequência ao aprendizado teatral com a movimentação em grupo para a construção colaborativa de um cortejo cênico. a árvore feita com uma corda no caderno de registro grupo e postura transversal.Construir -Contação de história 'A os que já foram pegos. Para iniciarmos o primeiro trimestre teremos a aprendizagem da construção de histórias curtas. retalhos de tecido e folhas de papel. O último a ser pego é o participantes. Ensaiaremos e apresentaremos o resultado do projeto para a comunidade escolar. gavião. e as demais sala ampla relações em março a temática -Apresentação do grupo são os passaros. Com a apreensão da estrutura básica de construção de histórias e pequenas cenas concretizaremos o conhecimento na construção do projeto TEATRO EM CAIXAS. o ano. Registro escrito -construção de regras e No círculo de desejos cada um se apresenta e regras de e fotográfico das registro do diário 20 min contribui com uma palavra do que gostaria que convivência e atividades. utilizando como referencial as lendas indígenas brasileiras. focando em técnicas de teatro de rua. sustentabilidade para A história da contação está em anexo. coletivamente as Estrela Tinan-Racan' 5 min próximo gavião. -roda de conversa 5 min. acontecesse nas ofcinas durante o ano. construiremos pequenos teatros de marionetes reutilizando materiais como caixas de papelão. ou CORTEJO CÊNICO. em parceria com a oficina de artes.Recepcionar as -Brincadeira Kalapalo 'Gavião 'Gavião na Árvore' – brincadeira de pega pega em que Corda Observação das 04 de crianças e introduzir na Árvore' uma das crianças é o pegador. Construção por escrito de regras de convivência . DATA OBJETIVO ATIVIDADE ESTRATEGIAS RECURSOS AVALIAÇÃO ESPECÍFICO MATERIAIS E ESPAÇO 03 e . buscando envolver a variedade das culturas latino-americanas. O tema transversal escolhido foram as culturas sul-americanas. Para este trabalho nos utilizaremos das culturas da América Latina. A oficina se concretizará no cortejo cênico apresentado no desfile cívico em comemoração ao aniversário de São Bernardo. 'Círculo de desejos' chão é o pique salve e o ninho do gavião é onde ficam material de escrita individual dos . Através de jogos colaborativos e de grupo trabalharemos as relações sociais refletindo sobre as práticas coletivas de convivência. tendo em vista a exposição do trabalho em ambiente urbano.

mostra do vídeo. -atividade baralho de histórias.Exercícios de corporais. bory-mind-centering de estruturas papel sulfite comportamento março estruturas . 20 min fazer novos grupos e novamente construir histórias a -roda de conversa 5 min partir dos baralhos e registrá-las por escrito. 15 min o protagonista de conseguir seu objetivo e desfecho da televisão para histórias criadas. história. personagem e cena. quem escrita colaborativo e março componentes de -identificação das estruturas e o que ajuda o protagonista e quem ou o que impede tela. A Lenda do Dia e da Noite identificar na narrativa quem são os personagens. 10 min a sequencia bmc. Explicação sobre o diário de sala detalhada em anexo. qual lápis de cor e de comportamento de Referenciar os 15 min é o protagonista.apresentação do vídeo Após assistir ao vídeo procurar junto com as crianças Papel sulfite Avaliação do 11 baralho de histórias. Em grupo construirão histórias baseadas no sorteio destas 'cartas' e registrarão estas histórias.Exercícios de reconhec. macaco. Exercícios de imitação de corporalidades para Sala ampla Observação dos 25 de histórias criadas com corporal 10 min identificação de características aspectos março cenas de improviso . escrita registro das na construção de min Exercícios de imitação de corporalidades para histórias criadas. qual o objetivo do protagonista. computador ou registro das construção de dramatúrgicas. 17 e .Troca de baralhos de identificação de características histórias e registro. cobra. Será repetida da mesma forma em todos os encontros. personagem e cena .brincadeira de imagem e Na brincadeira de imagem e ação as cartas criadas do levantados pelas ação 10 min baralho de histórias são sorteadas e enquanto uma crianças nas . jacaré. homem e lápis de cor e de colaborativo e dramatúrgicas reconhecimento corporal 10 pássaro. 10 e Construção do . 24 e Corporalizar as . tigre. A roda de conversa é a avaliação diária e coletiva feita todos os dias sobre os eventos da oficina. 20 min Na criação do baralho de histórias as crianças criarão um baralho gráfico com personagens e situações dramáticas em 'cartas' criadas por elas.Aquecimento inspirado em Aquecimento corporal de imitação de animais seguindo Sala ampla Avaliação do 18 de reconhecimento das tecnicas kempô.Dar continuidade no .

Marionete de jornal Exercício de marionete em dupla onde um manipula o molde dos nível de .marionete humana orientações do professor. demonstrado das articulações motoras finas lápis de cor e de por cada grupo.aquecimento com Para auxiliar na concentração e relaxamento duplas Papel sulfite Registro em 08 de marionetes massagens em duplas 10 min realizarão massagens uns nos outros seguindo as previamente vídeo. abril. personagens autonomia dos personagens Exercício de marionetes com jornal para treinamento básicos. churrasco ou cabendo ao professor orientar para que ninguém seja bambu cortado em desconsiderado. crianças.Ensaio de cenas 15 min ajudando na observação.início da construção . tentando CAIXAS . arame ou palito de A escolha das funções fica sempre a cargo do grupo. limites de todos os envolvidos. preexistentes. O último a sair ganha a gravador de vídeo feita pelas de para a montagem do .marionetes construídas outro como marionete. Os personagens serão entregues em .Aquecimento com Terra Céu Na brincadeira de aquecimento são dados comando Sala ampla Avaliação da março cenas em vídeo e Mar 10 min para o grupo de crianças. heterogêneos e não necessariamente coma finidades durex largo. 31 de Ensaio e registro das .divisão das equipes . Registro em foto -roda de conversa 5 min Nos improvisos com as histórias registradas anteriormente atentar bastante para a estrutura das cenas e ajudar no aprimoramento das histórias. o primeiro a adivinhar sorteia cenas. buscando grupos cola bastão. 07 e -manipulação de . .improviso de cenas com a criança tenta reproduzir em mímica a carta sorteada as avaliações das narração das histórias criadas.apresentação dos grupos e rodada. quem erra vai saindo a Corda própria cena e 01 divisão de grupos .roda de conversa 5 min. 25 min a próxima carta. TEATRO EM gravação em vídeo 20 min As cenas serão ensaiadas apresentadas. outras tentam adivinhar. relembrar os aspectos apontados no encontro anterior para registro em vídeo. abril . impresso com o percepção do de trabalho . A divisão de equipes deverá respeitar as condições e escrita.

roda de conversa 5 min lápis de cor e de escrita.divisão das equipes e orientações do professor.distribuição de personagens cada grupo personagens e desenho 20 min básicos. Sala ampla Registro em 29 de mostra das cenas grupo 15 min pode-se também combinar que cada grupo faça o seu vídeo. abril para o outro grupo ensaio 15 min aquecimento.Exemplos de . impresso com o . todos se apresentam e é feito registro em vídeo .término da escolha de histórias 15 min Terminar a construção dos personagens e cenários de molde dos construção . . Se for preciso algum tipo de material percepção do apresentação 15 min como cordas ou bolas será preciso negociar caso a nível de roda de conversa 5 min caso conforme a disponibilidade de material. autonomia As cenas são ensaiadas com cada grupo demonstrado separadamente por cada grupo. arame ou palito de churrasco ou bambu 21 e feriado feriado feriado feriado feriado 22 de abril 28 e Ensaio das cenas e Aquecimento em escolha do O grupo escolhe por indicação o aquecimento do dia. cola bastão. durex largo. desenhos básicos e deverão ser construídos pelas tiras finas crianças.aquecimento com Para auxiliar na concentração e relaxamento duplas Papel sulfite 15 de aspectos técnicos da massagens em duplas 10 min realizarão massagens uns nos outros seguindo as previamente abril cena . 14 e .

Se for preciso algum tipo de material feita pelas finalização dos personagens como cordas ou bolas será preciso negociar caso a crianças. se é necessária ou não. suporte Avaliação em 03 de o teatro cortejo ou de . para a roda de . Verificar com a coordenação a melhor maneira de realizar esta atividade 26 e FERIADO FERIADO FERIADO FERIADO FERIADO 27 de maio 02 e Iniciar o contato com . roda de conversa Novos ensaios com correções pontuais nos grupos pensar sobre a sonoplastia. 12 e Aprimorar as cenas aquecimento O grupo escolhe por indicação o aquecimento do dia. ensaio das cenas caso conforme a disponibilidade de material. ensaio das cenas caso conforme a disponibilidade de material. Sala ampla Avaliação da 06 de escolhidas Construção do cenário das pode-se também combinar que cada grupo faça o seu própria cena maio cenas aquecimento. se é necessária ou não. 19 e Mostra de cenas Realizar pequena mostra das 20 de cenas em atividade conjunta maio na biblioteca da escola. Se for preciso algum tipo de material feita pelas finalização dos personagens como cordas ou bolas será preciso negociar caso a crianças.Aquecimento em conjunto No aquecimento em conjunto serão explorados os Sala ampla.05 e Aprimorar as cenas aquecimento O grupo escolhe por indicação o aquecimento do dia.Apresentação de vídeos movimentos coordenados e simultãneos. Sala ampla Avaliação da 13 de escolhidas Construção do cenário das pode-se também combinar que cada grupo faça o seu própria cena maio cenas aquecimento. roda de conversa Novos ensaios com correções pontuais nos grupos pensar sobre a sonoplastia.

Será pedido que os grupos pesquisem sobre diferentes tecnologias dos povos autóctones da américa do sul.junho rua. -roda de conversa Os vídeos apresentados ainda serão pesquisados para apresentação do conversa -pedido de pesquisa em grupo apresentar um amplo referencial de diversas formas de vídeo teatro de rua e coreografias coletivas bem como do tema transversal. Viela e Rio Vermelho.tentar estabelecer divisões de acordo com escolhas participantes. tintas latex video . já conhecidas pelas crianças.aquecimento a decidir culturas sul americanas.Aquec. dimensões ser feita na volta serão adaptadas de forma a valorizar o aspecto da de acordo com o movimentação em conjunto.Aquec.brincadeira de dois times com desafios de sala ampla Comportamento 17 de movimentação do .divisão de grupos joãoquempo e corrida corda em grupo dos junho cortejo . e 01 .contação de histórias Introduzir lendas e histórias sobre figuras lendárias das Tecido de algodao Registro em 08 de objetos de cena para . . a tecnologia dos povos andinos.contação de histórias Introduzir lendas e histórias sobre figuras lendárias das Sala ampla junho . 09 e PASSEIO Experimentações e Brincadeiras e jogos com movimentações coletivas Parque ou quadra A roda de 10 de A DEFINIR brincadeiras de movimentação para exploração do espaço. 23 e Criação para . passeio 16 e Criação para . As brincadeiras Rua e de grandes conversa poderá junho coletiva em espaço aberto. Estafeta em grupo Com jogos de estafeta treinar a movimentação Sala ampla 24 de movimentação do .coreografias .aquecimento a decidir culturas sul americanas. Joãoquempo – linha .roda de conversa de pesquisa das crianças sobre o tema transversal. junho cortejo para cortejo cênico Finalizar a coreografia do cortejo cênico e ensaiar 30 de Ensaio do cortejo .Finalização da coreografia sincronizada em conjunto.ensaio Aquecimento em decisão junto com o grupo de ensaiar em espaço amplo o cortejo cênico julho 07 e Confecção dos . proveito do Exposição das pesquisas feitas pelos grupos.

fita crepe. video julho cenico .confecção de objetos Aquecimento em decisão junto com o grupo coloridas cenicos começar a confecção dos objetos cenicos cola branca e em bastão papéis coloridos 14 e TEMPO DE FERIAS TEMPO DE FERIAS TEMPO DE FERIAS TEMPO DE TEMPO DE 15 de FERIAS FERIAS julho 21 e Ensaio e confecção . cola bastão. video julho cenico perna presa Aquecer com jogo de futebol adaptado .contação de histórias Retomada das lendas e histórias sobre figuras Sala ampla Registro em 22 de de objetos do cortejo . arame ou palito de churrasco tecido de algodão cru .ensaio Aquecer com jogo de futebol adaptado ensaio do cortejo com os objetos cenicos adaptados MATERIAIS PARA O SEMESTRE Papel sulfite lápis de cor e de escrita.julho o cortejo . cola branca.aquecimento com futebol de lendárias das culturas sul americanas.ensaio e confecção de ensaio do cortejo com os objetos cenicos adaptados objetos cenicos 28 e Ensaio e confecção .aquecimento a decidir lendárias das culturas sul americanas.contação de histórias Retomada das lendas e histórias sobre figuras Sala ampla Registro em 29 de de objetos do cortejo . durex largo.

tecidos cetim de cores lisas variadas tinta latex branca e cores primárias corda REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: vídeo A Lenda do Dia e da Noite – https://www. como também da relação de consumo e produção de lixo. 1989 TABLADO DE ARRUAR. A Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento: O Contexto de François Rabelais. 2004 PROJETO SUSTENTABILIDADE 1. 1996 FAVRE. São Paulo: Annablume/Hucitec. Jogos E Brincadeiras Do Povo Kalapalo Edições Sesc São Paulo 2010 KOUDELA. Jogos Teatrais. Henri. 2001 LOPES. São Paulo: Perspectiva.youtube. O arco-íris do desejo: método Boal de teatro e terapia. começaremos a . Augusto. Ingrid Dormien. 2002 BOAL.JUSTIFICATIVA Considerando a necessária preocupação e conscientização sobre as consequências da ação humana sobre o meio ambiente e a degradação deste sob a exploração humana buscamos uma maneira de introduzir um novo olhar para a relação com a natureza. Mikhail. Pensando em estabelecer um diálogo com as crianças a respeito da alimentação e produção de alimentos. ZAHAR HERRERO. No espaço aonde temos nossas oficinas percebemos que existe uma área de terra que poderia se transformar em uma horta. A Civilização Inca. Pega Teatro. Cooperativa Paulista de Teatro.São Paulo. Joana. PAPIRUS. Teatro de Rua em Movimento 1.OBJETIVO Desenvolver com as crianças uma horta de alimentos 2.com/watch?v=v4LERka3bOY consulta em 12-02-2016 BAKTHIN. Marina e Ulisses FERNANDES. RECORD.

propiciar o contato com noções de plantio e produção de alimentos naturais. Portanto em um dos dias elas realizarão plantio. portanto. . OBJETIVOS ESPECÍFICOS .estimular a diminuição do consumo de produtos industrializados. METODOLOGIA A ideia inicial é que toda a pesquisa e planejamento sejam realizados com as crianças através de nossa orientação.desenvolver a sensibilidade para com a alimentação natural. 3.pesquisar e aplicar técnicas de cultivo caseiro. . 4. adubação.conscientizar aspectos da relação ser humano e meio ambiente. . o cronograma e a aquisição de recursos necessários serão pensados em conjunto com as turmas.pesquisar e construir uma composteira.pesquisar e realizar o plantio de uma horta. buscando desenvolver estratégias para conseguirmos realizar o projeto em colaborativamente.realização de uma horta com duas turmas que fazem a mesma oficina duas vezes por semana. compostagem e demais cuidados necessários para a horta e contamos com as outras turmas diárias para fazer a rega da horta. . . . .