E Book Iso 9001 2015 Interpretando As Mudancas Revista Virtual

Verde Ghaia 2015. Todos os direitos reservados. FICHA TÉCNICA Texto: Deivison Pedroza Revisão: Keziah Pollyanna Moreira de Souza Revisão Técnica: Daniela Cavalcante Projeto Gráco e Dagramaão: Aexadre Morae GRUPO VERDE GHAIA Ra Geera Doío Cerqera 315 • Gterrez Beo Horzote/MG • CEP 30441-063 31 2127.9137 www.verdeghaa.com.br verdeghaia.com.br SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO PG. 6 2. TiRA-TEiMA PÁG. 12 3. Os PRinCPiOs DA QuAliDADE PG. 16 4. DifEREnçAs EnTRE isO 9001: 2008 E isO 9001:2015 PÁG. 23 5. COnClusO PÁG. 25 6. AnEXO - TABElA COMPARATiVA: isO 9001: 2008 VERsus isO 9001:2015 PÁG. 27 ISO 9001:2015 - INTERPRETANDO AS MUDANÇAS 1. INTRODUÇÃO A Norma ISO 9001 é o sistema de gestão mais popular e licenciado mundialmente, no qual se destaca o setor industrial como o mais implementado e certificado nos últimos anos. Isso se deve, principalmente, a aplicação da Norma nos setores industrial, de tecnologia, prestação de serviços e setores públicos. Por conseguinte, o panorama empresarial tem se destacando nos últimos anos por fazer parte de um cenário mais dinâmico e complexo, o que resultou na inclusão de novas práticas e tecnologias na aplicação da Norma, impulsionando o processo de revisão da ISO 9001. A finalidade da Norma é aprimorar a gestão das empresas, proporcionando melhorias na prestação de serviço, garantindo satisfação aos clientes e aperfeiçoando a capacidade de gestão da organização. Vale destacar que a ISO 9001 pode ser aplicada em qualquer segmento, independentemente do tamanho da organização. A publicação oficial da nova regra ocorrerá em setembro de 2015. 7. MUDANÇAS E ADAPTAÇÃO DA ISO 9001 A Norma ISO 9001 possui aplicabilidade prática. Porém, as mudanças no cenário empresarial exigiram algumas modificações. Essas mudanças são importantes para a manutenção do conceito e a abordagem dos processos considerando a eficácia desses em relação à qualidade dos produtos e serviços ofertados pelas organizações. • Manter a aplicabilidade da Norma ISO 9001 como foco para a obtenção de melhorias e resultados; • Garantir a aplicabilidade dos requisitos por vários anos, visando a obtenção de valores tanto para a organização quanto para o cliente; • Ser uma Norma aplicável a qualquer organização, independentemente do tamanho e tipo, sendo a sua operacionalidade em qualquer setor; • Possuir foco sobre a gestão potencializa os processos de produção e resultados desejados pela organização, impactando com mais ênfase na análise de riscos; • Considerar as alterações É a estrutura-base da nova versão da ISO 9001 e serve como guia para a utilização da Norma (anteriormente chamava-se ISO Guia 83). *SL: ocorridas na Norma desde 2000, focando em práticas e tecnologias de Sistema de Gestão da Qualidade; • Refletir sobre as mudanças ocorridas de acordo com a complexidade, exigência e dinamismo nas quais as organizações operam; • Estimular as organizações a dar o feedback a todos os envolvidos no processo, não apenas aos clientes; • Alinhar, melhorar, compatibilizar e aplicar a *SL  da ISO com outras normas de sistema de gestão. Isso significa que as Organizações devem ter uma estrutura alinhada com todos os outros sistemas de gestão ISO, facilitando a integração com os demais sistemas; • Manter a flexibilidade no tipo e no uso de documentação, visando requisitos simplificados de documentação, dando fim ao manual da qualidade; • Fazer uso de um linguajar simples, de modo que facilite a compreensão e interpretação coerente dos requisitos; • O cliente sempre será o foco principal. ISO 9001:2015 - INTERPRETANDO AS MUDANÇAS Espera-se que após a publicação da Norma, os propósitos estratégicos estejam mais alinhados aos objetivos das organizações. Assim, é possível proporcionar mais ênfase no foco das conformidades de produtos e serviços, incorporando os requisitos e as necessidades das partes interessadas no sistema de gestão e qualidade. Exercendo, dessa forma, mais veracidade e qualidade aos produtos e serviços das organizações. Apenas a título de demonstração esquemática, seguem abaixo os períodos de revisão das Normas, ocorridas nos últimos anos: Publicação da 1ª Edição da ISO 9001, contendo também as ISO 9002 e 9003; 1994: Publicação da 2ª Edição (alterações menores); 2000: Uma grande revisão da ISO 9001 foi publicada, com a retirada das ISO 9002 e 9003; 2008: Publicação da 4ª Edição (alterações menores); 2015:  Publicação da 5ª edição com profundas alterações, usando como base a “High Level Structure”. eficientes no sistema de gestão da qualidade, enfatizando o desempenho da sua aplicabilidade com mais precisão dentro das organizações. ISO 9001: Ano 2008 Período em que ocorreu a 4ª edição, apresentando mudanças consistentes na gestão ambiental Norma ISO 14001. ISO 9001: Ano 2015 Apesar da publicação da nova revisão estar prevista para setembro de 2015, as organizações terão um período estimado de 3 anos, aproximadamente, para adaptação e certificação de seus sistemas. 1987: AS NORMAS E A APLICAÇÃO APÓS A PUBLICAÇÃO OFICIAL ISO 9001: Ano 2000 Período em que surgiu a ISO 9001, substituindo os outros três modelos de gestão. Foram incorporadas mudanças A proposta é manter a sua aplicabilidade em qualquer organização, promovendo o alinhamento com outras normas de sistema de gestão aplicadas pela ISO, de modo que possam adaptar as regras da Norma às realidades das organizações. PROCESSO DE REVISÃO O processo de revisão das Normas Internacionais ocorre a cada 5 anos, e é realizada por comitês técnicos, a fim de verificar se a revisão é necessária. O objetivo desta revisão é manter a Norma sempre atualizada. Para que a publicação final da Norma ocorra, é necessário que todos os Membros aprovem as modificações. 9. Todo o processo de revisão de Norma, deve passar por seis etapas, para chegar a publicação final. O material só passará para a próxima etapa após a aprovação dos conteúdos, dos comentários e da parte técnica. 1. Proposta; 2. Preparação; 3. Comissão; 4. Consulta; 5. Aprovação; 6. Publicação. 4. Consulta Após o consenso da comissão, inicia-se a consulta. Esta fase, destina-se à comentários, acusações, discussões, alinhamento, dentre outros assuntos. Todo o projeto é apresentado como DIS/Projeto de Norma Internacional. A etapa é finalizada com a votação. Para votação é necessário 2/3 dos membros a favor, não podendo haver mais de 1/4 do total de votos contra. COMO FUNCIONA O PROCESSO DE REVISÃO DAS NORMAS? 1. Proposta A proposta passa por um processo de avaliação. É necessário que os Membros da ISO/TC votem a favor da revisão, de modo que possam efetuar as alterações necessárias no documento e excluir tudo que for irrelevante. 2. Preparação Momento no qual se cria um grupo de trabalho para avaliar como será desenvolvido todo o projeto. Este também é o momento para agendamento das reuniões, visando a discussão dos temas a serem debatidos. 3. Comissão O grupo de peritos elabora o “Projeto Committe” - CD e o distribui. A distribuição deste documento tem a finalidade de recolher observações, comentários, protestos para adequação da Norma. Logo após, o CD é colocado em votação. 5. Aprovação Esta é o momento no qual ocorre o último projeto, antes da publicação final da regra. Este é o resultado da fase de consulta “Final Draft International Standard - FDIS”. No entanto, faz-se necessário aguardar a avaliação, depois a aprovação e em seguida a publicação. 6. Publicação É a etapa final. Esta fase coloca fim ao processo de revisão, significando que o projeto final, “Final Draft International Standard”, foi aprovado. Entretanto, a publicação somente é autorizada após a avaliação e aprovação final do FDIS. Logo depois, o documento final é enviado à Secretaria Central/ISO e em seguida publicado como “International Standard”. As organizações terão um período de 3 anos, aproximadamente, para adaptação e certificação de seus sistemas 11. ISO 9001:2015 - INTERPRETANDO AS MUDANÇAS 2. TIRA-TEIMA ANEXO SL O Anexo SL nasceu de uma demanda de mercado, servindo como suporte para o sistema de gestão. Este anexo foi desenvolvido pela ISO com a finalidade de implementar, certificar e integrar vários sistemas de gestão ao mesmo tempo. Embora, todos os sistemas tenham requisitos aparentemente comuns entre si, estes apresentam nomenclaturas e definições diferentes, sucedendo impactos significativos na implementação dos Sistemas de Gestão. A ideia de agregar o Anexo SL é gerar mais foco em cada requisito, impedindo conflitos e duplicação de acepções. Portanto, o Anexo SL busca levar às organizações consistência e compatibilidade com os outros sistemas. Pretende-se assim, gerenciar todo o processo de implementação do sistema de gestão, tendo como base os padrões múltiplos de uma única organização. Anexo SL: Estrutura de Alto Nível - HSL Anexo responsável pela estruturação dos capítulos da norma, definindo e denominando a “Estrutura de alto nível – HSL”, englobando as seguintes cláusulas: Cláusula 1 - Âmbito: Responsável por cada especificação, definindo os resultados esperados do sistema de gestão padrão. Cláusula 2 - Referências normativas: Cada disciplina dominará regulamentos específicos aplicáveis. Cláusula 3 - Termos e Definições: Inclui-se termos comuns básicos e definições mais específicas para cada disciplina. Estes conceitos fazem parte integral de textos padrões, comuns ao sistema de gestão. Cláusula 4 - Contexto da organização: É preciso num primeiro momento, compreender a organização dentro de cada contexto. Deste modo, as necessidades e expectativas das partes interessadas determinarão o alcance do sistema de gerenciamento das aplicações. A organização, por sua vez, deve determinar as questões a serem resolvidas, representando os impactos gerados e obtendo os resultados esperados. 13. Cláusula 5 – Liderança:  É a reiteração de políticas, funções, responsabilidades e autoridades da organização, enfatizando não só a liderança de gestão, mas também, a gerência sênior que terá maior participação. Esta cláusula tem o objetivo de informar a todos os membros da organização a importância do sistema de gestão e incentivar a atuação em todo o processo. Cláusula 6 – Planejamento: Tem como objetivo incluir o sistema de gestão de prevenção e discutir os riscos, assim como as oportunidades que possam vir de encontro às organizações, focando na facilidade de ações preventivas e/ou corretivas. Cláusula 7 – Suporte: Falar sobre questões como recursos, competência, consciência, comunicação ou informação documentada, constituindo suporte necessário para atender aos objetivos organizacionais. Cláusula 8 – Operação: Processo no qual os planos da organização controlam os processos internos e as mudanças externas originando, consequentemente, implicações não intencionais. Embora esta seja a cláusula mais curta, é, porém, aquela que mais carece de disciplina. Cláusula 9 - Avaliação de Desempenho: Parte em que se faz referência ao monitoramento, medição, análise e avaliação, auditoria interna e revisão. Este procedimento visa a comprovação do rendimento e determina “o que”, “como” e “quando”, de acordo com as exigências da Supervisão. As auditorias internas, por sua vez, obtêm informações sobre o sistema de gestão através das exigências dos requisitos da organização e do Estado, aplicando-se a um formato eficaz de Sistema de Gestão (SG). Cláusula 10 – Melhorias:  Busca-se abordar as não-conformidades, assim como as ações corretivas e a melhoria contínua, de modo a proporcionar melhorias reais. Desse modo, pode-se enfrentar as não-conformidades com ações mais precisas e eficazes. A visão passa a ser macro, e não processual ISO 9001:2015 - INTERPRETANDO AS MUDANÇAS 3. OS PRINCÍPIOS DA QUALIDADE Através da versão ISO 9001:2015 a Gestão da Qualidade apresentará 7 Princípios, e não mais 8 Princípios. Os 7 Princípios se baseiam nas normas ISO 9000, conforme apontados abaixo: Cliente: A gestão da qualidade é focada em atender as necessidades dos clientes e superar as expectativas depositadas. Liderança: Os líderes das organizações devem estabelecer um propósito e direcioná-lo. Este é o momento de enfatizar a criação e as condições para que outros possam se envolver na realização dos procedimentos, visando a qualidade da organização. Envolvimento de pessoas: Um aspecto muito importante para qualquer organização é que todos os envolvidos sejam competentes e capacitados, agregando valor ao trabalho a ser realizado. Enfoque baseado em processos: As atividades devem ser compreendidas e geridas como processos inter-relacionados, formando um sistema coerente. Obtém-se assim, resultados semelhantes e previsíveis, ou seja, resultados com mais eficácia e eficiência. Melhoria: Para uma organização alcançar o sucesso é necessário enfatizar e centrar todos os esforços na melhoria da gestão. Devendo, portanto, envolver todos na efetivação do processo. Tomada de decisão baseada em evidências: As decisões adotadas com base na análise e na avaliação das informações e dados, tornam-se mais suscetíveis nos resultados apontados e desejados. Gerenciamento de Relacionamento: É Gerir as relações entre as partes interessadas, visando alcançar o sucesso proposto pela organização. PRINCIPAIS MUDANÇAS Como mencionado anteriormente, a atualização da Norma ISO 9001 foi necessária para se adaptar à realidade das organizações, uma vez que a Norma ISO 9001:2008 não demonstrava alterações significativas ao 17. novo cenário empresarial. A ISO 9001:2015 apresentará uma estrutura diferente da versão atual, facilitando a visualização e o entendimento acerca das novidades e mudanças. AS MUDANÇAS ENFRENTADAS PELA QUALIDADE PROFISSIONAL A Norma ISO 9001:2015 trará em suas abordagens, significativas alterações a serem incluídas nos Sistemas de Gestão da Qualidade, conforme as relações citadas abaixo: Mudança na estrutura da regra / anexo SL Cada Norma do Sistema de Gestão possuirá uma característica singular, conforme os apontamentos do Anexo SL. Caberá a este documento, manter todos os padrões da revisão, publicação e compartilhamento de uma mesma estrutura, correspondendo ao nome de Estrutura de Alto Nível. O diferencial do Anexo SL será entre o Padrão de Qualidade, Ambiente, Segurança da Informação, Continuidade na Inovação de Negócios “Business Innovation” sendo o resto das seções comum a todos. A Estrutura de Alto Nível por sua vez, traz benefícios para a integração do Sistema de Gestão. Nesta nova estrutura algumas diferenças significativas no SG podem ser apontadas, como: Melhoria: deixa de abordar a ação preventiva através de prazo; Paejameto: visa alcançar uma maior amplitude e importância sobre o processo de planejamento de riscos e oportunidades. Getão de docmeto e regtro:  anteriormente tratada no capítulo 4.2, passa a ser discutido no 7.5 com o nome de “Informação documentada”. Neste capítulo são discutidos quais aspectos padrão deverão ser mantidos, assim como o que será criado, atualizando as informações e controlando-as. Abatecmeto:  desaparece na ISO 9001:2015, fazendo parte da “8.6 – Liberação de Produtos e Serviços”, ou seja, todo produto ou serviço liberado ao cliente deve ser finalizado com sucesso, em paralelo com o planejamento. Controle de produtos e ervo exteramete: passa a ser abordado pela ISO como “Compras”. ISO 9001:2015 - INTERPRETANDO AS MUDANÇAS Ênfase na abordagem de processo Na ISO 9001:2015 este conceito é abordado como uma sub cláusula com a nomenclatura “Gestão da Qualidade e seus Processos”, contendo dez requisitos essenciais na qualificação dos: • Insumos necessários e resultados esperados no processo; • Sequência e interação dos processos; • Critérios e métodos que incluam medições e indicadores de desempenho, mantendo as relações necessárias para garantir o funcionamento eficiente de todo o processo; • Requisitos e disponibilidade de recursos; • Atribuir responsabilidade e autoridade para todos os processos; • Apontar os riscos e as conformidades de acordo com os requisitos da 6.1, visando o planejamento e execução das ações adequadamente; • Aferir os métodos de avaliação e medição e avaliação dos processos. Caso seja necessário, apresentar as alterações, garantindo que os resultados almejados sejam alcançados; • Oportunidades de melhoria no processo do sistema de gestão da qualidade. A ênfase dada à abordagem do processo tem sido uma ferramenta perfeita para operar e planejar as atividades das organizações, criando valores e interesses entre as partes interessadas. Uma vez que as Organizações atuem como unidades estruturadas, funcionalmente, a responsabilidade pelos resultados obtidos, fica a cargo de cada uma das unidades funcionais. A abordagem dada pela ISO 9001:2015, analisa com cuidado esta questão, permitindo atravessar as unidades funcionais com foco na unificação dos principais objetivos da organização. Observa-se como ponto vantajoso a abordagem no processo de Sistema de Gestão de Qualidade, residindo na Gestão e Controle de cada uma das interações, ou seja, há o controle entre os processos e hierarquias funcionais das Organizações. Linguajar aplicável A regra continua a ser aplicável de acordo com 19. cada Organização. Porém, exige-se do setor designado a responsabilidade por uma linguagem simples, facilitando a compreensão e uniformização dos requisitos. e expectativas das partes interessadas. • Determinar o alcance de Gestão da Qualidade do Sistema. • Enfatizar o Sistema de Gestão da Qualidade. Analisando o contexto da organização É necessário considerar o fator socioeconômico da Organização e seu relacionamento direto com as partes interessadas, tanto interna quanto externa. Este procedimento analisa a necessidade que uma organização possui, visando o seu contexto como um todo. O objetivo é analisar a sua visão, missão, ameaças e oportunidades, assim como suas fraquezas, problemas ou mesmo questões que possam impactar no planejamento do Sistema de Gestão de Qualidade. Pensando com base no risco A ISO 9001:2015 agrupa de modo mais explícito todo o SG, refletindo com mais amplitude os riscos de uma organização, tais como a implementação, manutenção e melhoria no Sistema de Gestão da Qualidade. Sendo assim, deixa-se claro, que o objetivo da ISO é garantir a Gestão da Organização da Qualidade, de acordo com as seguintes determinações: • Alinhar o planejamento estratégico ao planejamento do sistema de Gestão da Qualidade. • Compreender a organização e seu contexto. • Compreender as necessidades O risco é pensado precisamente, de modo que haja uma ação preventiva no planejamento estratégico, possibilitando às organizações se adequarem conforme às suas necessidades. Desaparece o conceito de ação preventiva Haverá inclusão da análise de risco no programa de auditoria. Isso permitirá que os resultados alcançados, anteriormente, sejam possíveis de homologação e assim, controlar os fornecedores através da análise. Além disso, será possível através da ISO 9001:2015 definir junto ao fornecedor o gerenciamento de análise de risco. ISO 9001:2015 - INTERPRETANDO AS MUDANÇAS Os requisitos 4.1 e 6.1 que antes uniam o conceito da ação preventiva, estes agora, passam a assessorar as organizações na análise de riscos e oportunidades com mais amplitude. Contudo, a ISO 9001:2015 não está mais agregada às ações corretivas e às de não-conformidades, mas às Estruturas de Alto Nível que apresentam novas regras, embora não incluam qualquer cláusula. Tal ação foi fundamentada em um sistema de gestão que visa a “Ação Preventiva”, sendo este, portanto, um instrumento de prevenção. Desse modo, a visão passa a ser macro e não mais processual, com isso a mudança na gestão se fortalecerá na nova ISO 9001:2015, realizando a análise de risco quando ocorrerem mudanças. Salienta-se, porém, que a ISO 31000 (Sistemas de Gestão de Riscos) poderá ser adotada como material de referência para determinar o controle de risco. O objetivo é avaliar os aspectos internos e externos que sejam relevantes no propósito da organização, de modo que sejam identificados os riscos com precisão e alcançados os resultados almejados. Não só falar de clientes, mas de partes interessadas Busca-se estabelecer requisitos que atendam às necessidades e expectativas das partes interessadas, ou seja, Organização e Cliente. Sendo dever da Organização determinar tanto as partes interessadas quanto as suas exigências. As partes interessadas são aquelas que podem afetar a capacidade da organização, fornecendo produtos e serviços que cumpram os requisitos, estes podem ser clientes, parceiros, organização, fornecedores, sindicatos, governos, dentre outros. Conceito de informações documentadas O conceito é apresentado continuamente em toda a Norma, fazendo referência aos elementos que devem ser documentados em um Sistema de Gestão da Qualidade. Ao longo de toda a Norma se fala em informação documentadas, embora desapareçam nos documentos e registros. Cabe ressaltar que, embora a ISO 9001:2015 não exija o Manual de Qualidade nos procedimentos documentados, não significa que as organizações não precisem mais usá-los. Não se exige mais um Representante na Direção ISO 9001:2015 não exige 21. mais um representante na direção, propõe-se apenas o gerenciamento sênior que deve prestar contas ao Sistema de Gestão de Qualidade. Com o intuito de explicar melhor esse conceito, o capítulo “5 – Liderança”, trata deste assunto com mais abrangência, envolvendo o tema “gerência sênior no Sistema de gestão”. A finalidade é demonstrar liderança e identificar riscos e oportunidades que possam afetar as conformidades dos produtos e serviços, apresentando uma visão mais ampla, conforme os exemplos citados abaixo: • As organizações podem excluir o papel de um representante da gerência. No entanto, é preciso que as organizações assumam o sistema de liderança da Alta Administração através da função “gestor”. • As ações devem requerer competências do representante, de acordo com a ISO 9001:2008. • Não é obrigatório extinguir a função de representante da gerência, uma vez que este possui valor agregado perante a Organização. • Deve-se definir um método que garanta aos líderes da organização melhorias no gerenciamento dos requisitos, parte importante na função de um representante da direção, de acordo com a ISO 9001:2008. Gestão do Conhecimento A gestão do conhecimento organizacional foi inclusa na nova ISO 9001:2015 no capítulo 7.1.6, que determina o conhecimento necessário para o funcionamento da SGC. Desse modo, é possível garantir a conformidade dos produtos e serviços, visando a satisfação do cliente e atribuindo responsabilidade para as organizações, tais como: assegurar, resguardar e manter todo o conhecimento necessário. Ênfase nos processos terceirizados A terceirização é um dos aspectos em destaques no capítulo “8.4 – Controle dos produtos e serviços fornecidos externamente”. Os critérios para a avaliação não serão iguais a todos, devese levar em consideração a criticidade e a confiabilidade nos negócios. Através da certificação ISO 9001:2015, as Organizações devem tratar os seus respectivos clientes/fornecedores como parceiros, uma vez que estes se incluem em algumas partes do processo, devendo, portanto, aplicar o sistema de gestão em conjunto. ISO 9001:2015 - INTERPRETANDO AS MUDANÇAS Validar a competência do pessoal Caberá a cada membro da organização aplicar seu conhecimento adquirido, suas respectivas habilidades, competências e aplicá-las, conforme forem definindo os trabalhos de execução. Esse procedimento permite a validação dos critérios adotados. A Norma ISO 9001:2015 delibera que toda a organização deve fazer parte do processo, incluindo-a como parte importante no sistema de gestão. Sendo assim, a norma definirá não apenas os perfis e o plano de formação, mas garantirá que todo o processo seja executado com maestria e precisão. 23. 4. DIFERENÇAS ENTRE ISO 9001:2008 E ISO 9001:2015 É importante compreender a estruturação entre as duas normas ISO 2008 e ISO 2015, estabelecendo as correlações dos requisitos ISO/DIS 9001. A base dos requisitos das Normas ISO 9001:2008 e ISO/DIS9001 tem a “Matriz de Correspondência” como pano de fundo, mostrando claramente, as correlações. A ADAPTAÇÃO DA NORMA ISO 9001: 2015 O Fórum Internacional (IAF) e do Comitê ISO em Avaliação da conformidade (CASCO) concordaram que haverá um período de transição, podendo ser de três anos, a partir da data de publicação da ISO 9001:2015. O grau de mudança dependerá de cada organização. Devendo considerar o grau de conhecimento que cada organização requer para alcançar a conformidade dos produtos e serviços, assim como o modo de desenvolvimento do conhecimento adquirido. Certamente, deverá ser considerado um período de adaptação, uma vez que muitas organizações possuem seus planejamentos, precisamente, estruturados. Sendo assim, as formalidades de abordagem às organizações serão influenciadas de acordo com contexto no qual se encontram, considerando um período de adaptação do sistema de gestão existente e o modo como foi desenvolvido. Cada organização terá tempo para se adequar e planejar funcionalmente. Para que as organizações façam as modificações necessárias, é preciso que todos os representantes estejam envolvidos em prol da certificação. Os Organismos de Certificação somente poderão conceder a Certificação, quando estes forem credenciados, sendo possível apenas, após a Publicação Oficial do Estado, prevista para Setembro de 2015. Sendo assim, nenhuma organização poderá ISO 9001:2015 - INTERPRETANDO AS MUDANÇAS conceder certificações baseadas nas Normas ISO 9001:2015. As Organizações que podem renovar a certificação: • ISO 9001:2008: 36 meses após a publicação da ISO 9001:2015. • Todos os certificados anteriores a 2008 serão obsoletos. E, a partir de março de 2017, todas as certificações de Sistemas de Gestão da Qualidade que forem realizadas deverão manter relação com a ISO 9001:2015. • Organizações certificadas na ISO 9001:2008 enfrentam a transição para a nova versão. Visando identificar as deficiências na organização e a sua eficácia diante da implementação das novas exigências. Consequentemente, desenvolvese um Plano de Implementação. existindo. Sugere-se que o termo “Manual” seja mudado para “Diretrizes Organizacionais”. Treinamento: A expressão “Treinamento” será excluída, mas não a ação. O termo a ser usado será “Conhecimento”, exigindo que se tenha conhecimento organizacional da empresa. Será considerando o contexto, o porte, a complexidade, os riscos e as oportunidades de cada organização, sendo que os demais requisitos ficarão agrupados no item “Competência”. Controle de Documentos e Controle de Registros: Os termos serão substituídos por “Informação Documentada” e “Controle de Informação Documentada”. EXCLUSÕES SIGNIFICATIVAS Papel do Representante da Direção (RD): Dar-se-á mais poder de decisão às lideranças, embora as atividades do RD se apresentem mais descentralizadas e atribuindo aos gestores das áreas mais responsabilidade. Manual da Qualidade: As empresas não são mais obrigadas a terem um manual de qualidade, embora o documento continue Termo “Contínua”: Usar-se-á apenas o termo “Melhoria”. O objetivo na mudança do termo é que seja aplicada a ideia na sua totalidade, ou seja, que as Organizações utilizem e apliquem corretamente o termo, visando procedimentos e melhorias sempre contínuas. Ação Preventiva: Na nova ISO, tanto o termo, ação preventiva, quanto a ação serão excluídas. 25. 5. CONCLUSÃO Com o intuito de buscar melhorias às organizações, o Comitê Técnico e a Organização Internacional de Normalização envolveram especialistas e Entidades Certificadoras para a análise da ISO 9001:2008, no qual constam mudanças notáveis. Sendo assim, o objetivo-chave para a nova proposta ISO 9001:2015 são: • Atualizar a norma ISO 9001, refletindo sobre as práticas empresariais modernas, assim como as mudanças no ambiente empresarial e tecnológico; • Enfatizar com mais intensidade a abordagem dos processos e análises dos objetivos; • Incorporar mudanças nas práticas e tecnologia de SGQ a partir da última revisão em 2000; • Destacar a obtenção de conformidades dos produtos; • Aperfeiçoar a compatibilidade com outros sistemas de gestão; • Eliminar o manual de qualidade e um representante de gerência; • Documentar um sistema mais flexível; • Mudanças nos Princípios de qualidade, passando de 8 itens para 7. • Estruturação da Norma em 10 seções ou capítulos. Toda a revisão da Norma tem como objetivo minimizar os impactos ao máximo. Portanto, será necessário um bom planejamento, assim como a execução dos pontos mais importantes para verificação e implementação das ações, quando estes se fizerem necessários. É importante considerar o risco e os seus elementos, envolvendo toda a estratégia de gestão da qualidade, para que assim seja implementando estratégias eficazes para diminuir ou eliminar possíveis riscos. ISO 9001:2015 - INTERPRETANDO AS MUDANÇAS 6. ANEXO - TABELA COMPARATIVA: ISO 9001:2008 VERSUS ISO 9001:2015 Para uma melhor compreensão das mudanças é interessante correlacionar a ISO 9001:2008 e a ISO 9001:2015, apresentando as modifcações que ocorrerão em alguns dos seus capítulos. ISO 9001:2008 1 Objeto e área de aplicação 1.1 Visão Geral 1.2 Aplicação 2 Referências normativas 3 Condições e defnições 4 Sistema de Gestão da Qualidade 4.1 Requisitos gerais 4.2 Requisitos das documentações 4.2.1 Visão Geral 4.2.2 Manual da Qualidade 4.2.3 Controle dos documentos 4.2.4 Controle dos Registros 5 Responsabilidade da Direção 5.1 Compromisso da Direção 5.2 Foco no cliente 5.3 Política de Qualidade 5.4 Planejamento 5.4.1 Objetivos da Qualidade 5.4.2 Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade 5.5 Responsabilidade, autoridade e comunicação ISO 9001:2015 1 Alcance 2 Referências normativas 3 Condições e defnições 4 Contexto da organização 4.1. Compreender a organização e seu contexto 4.2 Compreensão das necessidades e expectativas das partes interessadas 4.3 Determinar o escopo do Sistema de Gestão da Qualidade 4.4 Sistema de Gestão da Qualidade e seus processos 5 Liderança 5.1 Liderança e compromisso 5.1.1 Liderança e compromisso para o Sistema de Gestão da Qualidade 5.2 Política de Qualidade 5.3 Papéis organizacionais, responsabilidades e autoridades 27. ISO 9001:2008 5.5.1 Responsabilidade e autoridade 5.5.2 Representante da Direção 5.5.3 Comunicação interna 5.6 Revisão da Direção 5.6.1 Visão Geral 5.6.2 Entrada para a revisão 5.6.3 Resultados da revisão 6 Gestão dos Recursos 6.1 Provisão dos recursos 6.2 Recursos humanos 6.2.1 Visão geral 6.2.2 Competência, formação e tomada de consciência 6.3 Infraestrutura 6.4 Ambiente de trabalho 7 Produção do Produto 7.1 Planejamento para produção do produto 7.2 Processos relacionados ao cliente 7.2.1 Determinação dos requisitos relacionados ao produto 7.2.2 Revisão dos requisitos relacionados ao produto 7.2.3 Comunicação com o cliente 7.3 Projeto e Desenvolvimento 7.3.1 Planejamento do Projeto e desenvolvimento 7.3.2 Elementos de entrada para projeto e desenvolvimento 7.3.3 Resultados do Projeto e do Desenvolvimento 7.3.4 Revisão do Projeto e do Desenvolvimento 7.3.5 Verifcação do Projeto e do Desenvolvimento 7.3.6 Validação do Projeto e do Desenvolvimento ISO 9001:2015 6 Planejamento do Sistema de gestão da Qualidade 6.1 Ações para enfrentar os riscos e as oportunidades 6.2 Objetivos e planejamentos para alcance da qualidade 6.3 Mudanças planejadas 7 Apoio 7.1 Recursos 7.1.1 Visão geral 7.1.2 Pessoas 7.1.3 Infraestrutura 7.1.4 Meio Ambiente e a área para funcionamento dos processos 7.1.5 Seguimento e medição dos recursos 7.1.6 Conhecimento organizacional 7.2 Competência 7.3 Consciência 7.4 Comunicação 7.5 Informação documentada 7.5.1 Visão Geral ISO 9001:2015 - INTERPRETANDO AS MUDANÇAS ISO 9001:2008 7.3.7 Controle para alteração do projeto e desenvolvimento 7.3.7 Controle para alteração do projeto e desenvolvimento 7.4 Compras ISO 9001:2015 7.5.2 Criação e atualização 7.5.3 Controle de informação documentada 7.4.1 Processo de compras 7.4.2 Informação de compras 7.4.3 Verifcação dos produtos comprados 7.5 Produção e prestação de serviços 7.5.1 Controle da produção e da prestação de serviços 7.5.2 Validação dos processos da produção e da prestação de serviços 7.5.3 Identifcação e monitoramento 7.5.4 Propriedade do cliente 7.5.5 Preservação do produto 7.6 Controle, monitoramento e medição de equipamentos 8 Medição, análise e melhorias 8 Funcionamento 8.1 Visão Geral 8.1 Planejamento e controle operacional 8.2 Seguimento e medição 8.2 Determinação dos requisitos dos produtos e serviços 8.2.1 Satisfação do cliente 8.2.1 Comunicação com o cliente 8.2.2 Auditoria interna 8.2.2 Determinação dos requisitos relacionados com os produtos e serviços 8.2.3 Seguimento e medição dos 8.2.3 Revisão dos requisitos processos relacionados com os produtos e serviços 8.2.4 Seguimento e medição do 8.3 Produto e desenvolvimento dos produto serviços 8.3 Controle dos produtos não con- 8.3.1 Visão Geral forme 8.4 Análises de dados 8.3.2 Produto e desenvolvimento do Planejamento 29. ISO 9001:2008 8.5 Melhorias 8.5.1 Melhoria contínua 8.5.2 Ação corretiva 8.5.3 Ação preventiva ISO 9001:2015 8.3.3 Produto e desenvolvimento dos insumos 8.3.4 Produto e Desenvolvimento de controles 8.3.5 Produto e desenvolvimento de saídas 8.3.6 Produto e desenvolvimento de mudanças 8.4 Controle dos produtos e dos serviços prestados externamente 8.4.1 Visão Geral 8.4.2 Controle no tipo de extensão de fornecimento externo 8.4.3 Informação para fornecedores externos 8.5 Produção e prestação de serviços 8.5.1 Controle da produção do serviço 8.5.2 Identifcação e monitoramento 8.5.3 Bens vinculados aos clientes ou fornecedores externos 8.5.4 Preservação 8.5.5 Atividades posteriores à entrega 8.5.6 Controle das modifcações 8.6 Lançamento dos produtos e serviços 8.7 Controle dos processos não conformes e dos produtos e serviços 9 Avaliação de Desempenho 9.1 Seguimento, medição, análise e avaliação 9.1.1 Visão Geral 9.1.2 Satisfação do cliente 9.1.3 Análise e avaliação ISO 9001:2015 - INTERPRETANDO AS MUDANÇAS ISO 9001:2008 ISO 9001:2015 9.2 Auditoria interna ISO 9.3 Revisão do Sistema de Gestão 10 Melhoria 10.1 Visão Geral 10.2. Não conformidades e ações corretivas 10.3 Melhoria contínua CORRELAÇÃO DOS REQUISITOS ISO/DIS 9001 VERSUS  ISO 9001:2008 Abaixo, segue o quadro com a versão DIS da ISO 9001 já fnalizada. Apenas a título de esclarecimento, o termo DIS se refere a “Draft of International Standard”, ou seja, Projeto de Norma Internacional. Portanto, não é uma norma ofcial, apenas um projeto para solicitação de alterações na qual ocorrerão análises e comentários das equipes, visando melhorias pertinentes e ajustes fnais. ISO/DIS 9001 4 Contexto Organizacional 4.1 Conhecimento da Organização e seu contexto 4.2 Compreensão das necessidades e expectativas das partes interessadas 4.3 Determinação do plano do Sistema de gestão da qualidade 4.4 Sistema de Gestão da qualidade e seus processos 5 Liderança 5.1 Liderança e compromisso 5.1.1 Liderança e compromisso com o Sistema de Gestão da Qualidade 5.1.2 Foco no cliente 5.2 Política da qualidade 5.3 Funções, responsabilidades e autoridade dentro das organizações ISO 9001:2008 1.0 Objetivos (escopo) 1.1 Visão geral 1.1 Visão Geral 4.1.2 Aplicação 4.2.2 Manual da qualidade 4 Sistema de Gestão da Qualidade 4.1 Requisitos gerais 5 Responsabilidade da Direção 5.1 Compromisso da Direção 5.1 Compromisso da Direção 5.2 Foco no cliente 5.3 Política da qualidade 5.5.1 Responsabilidade e autoridade 5.5.2 Representante da Direção 31. ISO/DIS 9001 6 Planejamento para o Sistema de Gestão da Qualidade 6.1 Ações para tratar riscos e oportunidades 6.2 Objetivos da qualidade e planejamento a serem cumpridos 6.3 Planejamento para mudanças ISO 9001:2008 5.4.2 Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade 5.4.2 Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade 8.5.3 Ação preventiva 5.4.1 Objetivos da qualidade 5.4.2 Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade 7 Suporte 6 Gestão dos Recursos 7.1 Recursos 6 Gestão dos Recursos 7.1.1 Visão Geral 6.1 Provisão dos recursos 7.1.2 Pessoas 6.1 Provisão dos recursos 7.1.3 Infraestrutura 6.3 Infraestrutura 7.1.4 Ambiente para a operação dos 6.4 Ambiente de trabalho processos 7.1.5 Recursos de seguimento e 7.6 Controle das equipes de seguimedição mento e medição 7.1.6 Conhecimentos organizacionais NOVO 7.2 Competência 6.2.1 Visão geral 6.2.2 Competência, formação e consciência 7.3 Conscientização 6.2.2 Competência, formação e consciência 7.4 Comunicação 5.5.3 Comunicação interna 7.5 Informação documentada 4.2 Requisitos da documentação 7.5.1 Visão Geral 4.2.1 Visão Geral 7.5.2 Criação e Atualização 4.2.3 Controle dos documentos 4.2.4 Controle dos registros 7.5.3 Controle da informação 7 Realização do produto documentada 8.1 Planejamento e controle 7.1 Planejamento e realização do operacional Produto 8.2 Determinação dos requisitos 7.2 Processos relacionados ao clipara os produtos e serviços ente 8.2.1 Comunicação com o cliente 7.2.3 Comunicação com o cliente 8.2.2 Determinação dos requisitos 7.2.1 Determinação dos requisitos relativos aos Produtos e serviços relacionados ao produto 8.2.3 Revisão dos requisitos 7.2.2 Revisão dos requisitos relaciorelacionados com os produtos e nados com o produto serviços 8. Operacional 7 Realização do produto ISO 9001:2015 - INTERPRETANDO AS MUDANÇAS ISO/DIS 9001 8.1 Planejamento e controle operacional 8.2 Determinação dos requisitos para os produtos e serviços 8.2.1 Comunicação com o cliente 8.2.2 Determinação dos requisitos relativos aos produtos e serviços 8.2.3 Revisão dos requisitos relacionados com o produtos e serviços 8.3 produto e desenvolvimento: Produtos e serviços 8.3.1 Visão Geral 8.3.2 Planejamento do produto e desenvolvimento 8.3.3 Entrada de produtos para desenvolvimento do projeto 8.3.4 Controle dos projetos e do desenvolvimento 8.3.5 Elementos de saída do desenvolvimento do projeto 8.3.6 As mudanças no desenvolvimento do projeto 8.4 Controle dos produtos e serviços fornecidos externamente 8.4.1 Visão Geral 8.4.2 Tipo e extensão do controle para fornecimento externo 8.4.3 Informação para os fornecedores externos 8.5 Produção e prestação de serviços 8.5.1 Controle da produção da prestação de serviço 8.5.2 Identifcação e monitoramento 8.5.3 Bens pertencentes aos clientes ou fornecedores externos 8.5.4 Preservação 8.5.5 Atividades posteriores à entrega ISO 9001:2008 7.1 Planejamento da realização do produto 7.2 Processos relacionados ao cliente 7.2.3 Comunicação com o Cliente 7.2.1 Determinação dos requisitos relacionados com os produtos 7.2.2 Revisão dos requisitos relacionados com o produto 7.3 Produto e desenvolvimento NOVO 7.3.1 Planejamento e do produto e desenvolvimento 7.3.2 Entrada de produtos para desenvolvimento do projeto 7.3.4 Revisão e desenvolvimento do projeto 7.3.5 Verifcação do desenvolvimento do projeto 7.3.6 Validação do desenvolvimento do projeto 7.3.3 Resultados do desenvolvimento do projeto 7.3.7 Controle das mudanças no desenvolvimento do projeto 7.4.1 Processo de compras 7.4.1 Processo de compras 7.4.1 Processo de compra 7.4.3 Verifcação dos produtos comprados 7.4.2 Informação das compras 7.5 Produção e prestação de serviços 7.5.1 Controle da produção e da prestação de serviço 7.5.3 Identifcação e monitoramento 7.5.4 Bens dos clientes 7.5.5 Preservação do produto 7.5.1 Controle da produção e da prestação de serviço 33. ISO/DIS 9001 8.5.6 Controle das mudanças 8.6 Liberação dos produtos e dos serviços 8.7 Controle dos produtos de saída e do processo dos produtos e serviços não conformes 9 Avaliação de desempenho 9.1 Seguimento, medição, análises e avaliação 9.1.1 Visão Geral 9.1.2 Satisfação do cliente 9.1.3 Análises e avaliação 9.2 Auditoria interna 9.3 Revisão realizada pela Direção 10 Melhoria 10.1 Visão Geral 10.2 Não Conformidade e ações corretivas 10.3 Melhoria contínua ISO 9001:2008 7.3.7 Controle da operação dos projetos e do desenvolvimento 8.2.4 Seguimento e medição dos produtos 7.4.3 Verifcação dos produtos comprados 8.3 Controle dos produtos não conformes NOVO 8 Medição, análise e melhoria 8.1 Visão Geral 8.2.1 Satisfação do cliente 8.4 Análises dos dados 8.2.2 Auditoria interna 5.6 Revisão realizada pela Direção 8.5 Melhoria 8.5.1 Melhoria contínua 8.3 Controle dos produtos não conformes 8.5.2 Ação Corretiva 8.5.1 Melhoria contínua
View more...
   EMBED

Share

Preview only show first 6 pages with water mark for full document please download

Transcript

Verde Ghaia 2015. Todos os direitos reservados.

FICHA TÉCNICA
Texto: Deivison Pedroza
Revisão: Keziah Pollyanna Moreira de Souza
Revisão Técnica: Daniela Cavalcante
Projeto Gráfico e Diagramação: Alexandre Moraes

Grupo Verde Ghaia
Rua General Dionísio Cerqueira 315 • Gutierrez
Belo Horizonte/MG • CEP 30441-063
31 2127.9137
www.verdeghaia.com.br

verdeghaia.com.br

.

6 2. 12 3.TABELA COMPARATIVA: ISO 9001: 2008 VERSUS ISO 9001:2015 PÁG. 27 . Os princípios da Qualidade Pág. ANEXO . Conclusão Pág. 16 4.SUMÁRIO 1. Diferenças entre Iso 9001: 2008 e Iso 9001:2015 Pág. Introdução Pág. Tira-teima Pág. 23 5. 25 6.

o panorama empresarial tem se destacando nos últimos anos por fazer parte de um cenário mais dinâmico e complexo. no qual se destaca o setor industrial como o mais implementado e certificado nos últimos anos. . a aplicação da Norma nos setores industrial.ISO 9001:2015 . prestação de serviços e setores públicos. proporcionando melhorias na prestação de serviço. principalmente. Vale destacar que a ISO 9001 pode ser aplicada em qualquer segmento. INTRODUÇÃO A Norma ISO 9001 é o sistema de gestão mais popular e licenciado mundialmente. independentemente do tamanho da organização. impulsionando o processo de revisão da ISO 9001. garantindo satisfação aos clientes e aperfeiçoando a capacidade de gestão da organização. A publicação oficial da nova regra ocorrerá em setembro de 2015. de tecnologia. A finalidade da Norma é aprimorar a gestão das empresas. Isso se deve. Por conseguinte. o que resultou na inclusão de novas práticas e tecnologias na aplicação da Norma.INTERPRETANDO AS MUDANÇAS 1.

sendo a sua operacionalidade em qualquer setor. impactando com mais ênfase na análise de riscos. • Fazer uso de um linguajar simples. visando a obtenção de valores tanto para a organização quanto para o cliente. ocorridas na Norma desde 2000. focando em práticas e tecnologias de Sistema de Gestão da Qualidade. • Garantir a aplicabilidade dos requisitos por vários anos. Essas mudanças são importantes para a manutenção do conceito e a abordagem dos processos considerando a eficácia desses em relação à qualidade dos produtos e serviços ofertados pelas organizações.7. dando fim ao manual da qualidade. • Alinhar. • Possuir foco sobre a gestão potencializa os processos de produção e resultados desejados pela organização. • Manter a aplicabilidade da Norma ISO 9001 como foco para a obtenção de melhorias e resultados. . melhorar. visando requisitos simplificados de documentação. MUDANÇAS E ADAPTAÇÃO DA ISO 9001 A Norma ISO 9001 possui aplicabilidade prática. Isso significa que as Organizações devem ter uma estrutura alinhada com todos os outros sistemas de gestão ISO. • Considerar as alterações *SL: É a estrutura-base da nova versão da ISO 9001 e serve como guia para a utilização da Norma (anteriormente chamava-se ISO Guia 83). exigência e dinamismo nas quais as organizações operam. Porém. independentemente do tamanho e tipo. • Ser uma Norma aplicável a qualquer organização. • Manter a flexibilidade no tipo e no uso de documentação. • O cliente sempre será o foco principal. • Refletir sobre as mudanças ocorridas de acordo com a complexidade. de modo que facilite a compreensão e interpretação coerente dos requisitos. • Estimular as organizações a dar o feedback a todos os envolvidos no processo. compatibilizar e aplicar a *SL da ISO com outras normas de sistema de gestão. facilitando a integração com os demais sistemas. as mudanças no cenário empresarial exigiram algumas modificações. não apenas aos clientes.

1994: Publicação da 2ª Edição (alterações menores). as organizações terão um período estimado de 3 anos. é possível proporcionar mais ênfase no foco das conformidades de produtos e serviços.INTERPRETANDO AS MUDANÇAS Espera-se que após a publicação da Norma. apresentando mudanças consistentes na gestão ambiental Norma ISO 14001. Assim. ISO 9001: Ano 2008 Período em que ocorreu a 4ª edição. ocorridas nos últimos anos: 1987: Publicação da 1ª Edição da ISO 9001. mais veracidade e qualidade aos produtos e serviços das organizações. substituindo os outros três modelos de gestão. contendo também as ISO 9002 e 9003. com a retirada das ISO 9002 e 9003. . Processo de revisão O processo de revisão das Normas Internacionais ocorre a cada 5 anos. A proposta é manter a sua aplicabilidade em qualquer organização. de modo que possam adaptar as regras da Norma às realidades das organizações. 2000: Uma grande revisão da ISO 9001 foi publicada. seguem abaixo os períodos de revisão das Normas.ISO 9001:2015 . e é realizada por comitês técnicos. dessa forma. Apenas a título de demonstração esquemática. Foram incorporadas mudanças eficientes no sistema de gestão da qualidade. é necessário que todos os Membros aprovem as modificações. 2008: Publicação da 4ª Edição (alterações menores). os propósitos estratégicos estejam mais alinhados aos objetivos das organizações. promovendo o alinhamento com outras normas de sistema de gestão aplicadas pela ISO. O objetivo desta revisão é manter a Norma sempre atualizada. para adaptação e certificação de seus sistemas. a fim de verificar se a revisão é necessária. aproximadamente. incorporando os requisitos e as necessidades das partes interessadas no sistema de gestão e qualidade. Para que a publicação final da Norma ocorra. 2015: Publicação da 5ª edição com profundas alterações. As Normas e a aplicação após a Publicação Oficial ISO 9001: Ano 2000 Período em que surgiu a ISO 9001. usando como base a “High Level Structure”. ISO 9001: Ano 2015 Apesar da publicação da nova revisão estar prevista para setembro de 2015. enfatizando o desempenho da sua aplicabilidade com mais precisão dentro das organizações. Exercendo.

deve passar por seis etapas. 6. Publicação É a etapa final. o documento final é enviado à Secretaria Central/ISO e em seguida publicado como “International Standard”. Comissão O grupo de peritos elabora o “Projeto Committe” . faz-se necessário aguardar a avaliação. Esta fase. Proposta A proposta passa por um processo de avaliação. discussões. 3. O material só passará para a próxima etapa após a aprovação dos conteúdos. visando a discussão dos temas a serem debatidos.CD e o distribui. o CD é colocado em votação. depois a aprovação e em seguida a publicação. Todo o projeto é apresentado como DIS/Projeto de Norma Internacional. 5. acusações. Aprovação Esta é o momento no qual ocorre o último projeto. Consulta.9. 5. Este é o resultado da fase de consulta “Final Draft International Standard . Esta fase coloca fim ao processo de revisão. Aprovação. . Como funciona o processo de revisão das Normas? 1. Proposta. 4. dos comentários e da parte técnica. significando que o projeto final. A etapa é finalizada com a votação. Publicação. a publicação somente é autorizada após a avaliação e aprovação final do FDIS. não podendo haver mais de 1/4 do total de votos contra. “Final Draft International Standard”. Entretanto. É necessário que os Membros da ISO/TC votem a favor da revisão. destina-se à comentários. Consulta Após o consenso da comissão. 6. Logo após. inicia-se a consulta. Logo depois. Preparação. protestos para adequação da Norma. 1. antes da publicação final da regra. Preparação Momento no qual se cria um grupo de trabalho para avaliar como será desenvolvido todo o projeto. A distribuição deste documento tem a finalidade de recolher observações. Todo o processo de revisão de Norma. 4. Este também é o momento para agendamento das reuniões. comentários. Comissão. de modo que possam efetuar as alterações necessárias no documento e excluir tudo que for irrelevante. para chegar a publicação final. 2. Para votação é necessário 2/3 dos membros a favor.FDIS”. alinhamento. 3. dentre outros assuntos. foi aprovado. No entanto. 2.

aproximadamente. para adaptação e certificação de seus sistemas .As organizações terão um período de 3 anos.

11. .

servindo como suporte para o sistema de gestão. norma.Âmbito: Responsável por cada especificação. representando os impactos gerados e obtendo os resultados esperados. as necessidades e expectativas das partes interessadas determinarão o alcance do sistema de gerenciamento das aplicações.Referências normativas: Cada disciplina dominará regulamentos específicos aplicáveis. Estes conceitos fazem parte integral de textos padrões. todos os sistemas tenham requisitos aparentemente comuns entre si. Embora. englobando as seguintes cláusulas: Cláusula 1 . sucedendo impactos significativos na implementação dos Sistemas de Gestão. Pretende-se assim. TIRA-TEIMA ANEXO SL O Anexo SL nasceu de uma demanda de mercado. o Anexo SL busca levar às organizações consistência e compatibilidade com os outros sistemas. certificar e integrar vários sistemas de gestão ao mesmo tempo. compreender a organização dentro de cada contexto. gerenciar todo o processo de implementação do sistema de gestão. impedindo conflitos e duplicação de acepções. Anexo SL: Estrutura de Alto Nível . Cláusula 3 . Portanto. Cláusula 2 . tendo como base os padrões múltiplos de uma única organização. por sua vez.HSL Anexo responsável pela estruturação dos capítulos da A organização. comuns ao sistema de gestão. Deste modo. . definindo os resultados esperados do sistema de gestão padrão.ISO 9001:2015 .Contexto da organização: É preciso num primeiro momento.INTERPRETANDO AS MUDANÇAS 2. deve determinar as questões a serem resolvidas. A ideia de agregar o Anexo SL é gerar mais foco em cada requisito.Termos e Definições: Inclui-se termos comuns básicos e definições mais específicas para cada disciplina. Este anexo foi desenvolvido pela ISO com a finalidade de implementar. definindo e denominando a “Estrutura de alto nível – HSL”. Cláusula 4 . estes apresentam nomenclaturas e definições diferentes.

implicações não intencionais.13. aquela que mais carece de disciplina. comunicação ou informação documentada. Cláusula 6 – Planejamento: Tem como objetivo incluir o sistema de gestão de prevenção e discutir os riscos. funções. assim como as oportunidades que possam vir de encontro às organizações. consciência. por sua vez. Cláusula 7 – Suporte: Falar sobre questões como recursos. . Embora esta seja a cláusula mais curta. Este procedimento visa a comprovação do rendimento e determina “o que”. enfatizando não só a liderança de gestão. é. focando na facilidade de ações preventivas e/ou corretivas. “como” e “quando”. a gerência sênior que terá maior participação. Esta cláusula tem o objetivo de informar a todos os membros da organização a importância do sistema de gestão e incentivar a atuação em todo o processo. análise e avaliação. obtêm informações sobre o sistema de gestão através das exigências dos requisitos da organização e do Estado. aplicando-se a um formato eficaz de Sistema de Gestão (SG). responsabilidades e autoridades da organização. Cláusula 10 – Melhorias: Busca-se abordar as não-conformidades. Cláusula 9 . de modo a proporcionar melhorias reais. mas também. Cláusula 5 – Liderança: É a reiteração de políticas. As auditorias internas. consequentemente. porém. auditoria interna e revisão.Avaliação de Desempenho: Parte em que se faz referência ao monitoramento. Desse modo. Cláusula 8 – Operação: Processo no qual os planos da organização controlam os processos internos e as mudanças externas originando. de acordo com as exigências da Supervisão. competência. medição. assim como as ações corretivas e a melhoria contínua. constituindo suporte necessário para atender aos objetivos organizacionais. pode-se enfrentar as não-conformidades com ações mais precisas e eficazes.

.

e não processual .A visão passa a ser macro.

Principais Mudanças Como mencionado anteriormente. e não mais 8 Princípios. visando a qualidade da organização. OS PRINCÍPIOS DA QUALIDADE Através da versão ISO 9001:2015 a Gestão da Qualidade apresentará 7 Princípios. Devendo.INTERPRETANDO AS MUDANÇAS 3.ISO 9001:2015 . Envolvimento de pessoas: Um aspecto muito importante para qualquer organização é que todos os envolvidos sejam competentes e capacitados. formando um sistema coerente. ou seja. Enfoque baseado em processos: As atividades devem ser compreendidas e geridas como processos inter-relacionados. Tomada de decisão baseada em evidências: As decisões adotadas com base na análise e na avaliação das informações e dados. envolver todos na efetivação do processo. Os 7 Princípios se baseiam nas normas ISO 9000. resultados com mais eficácia e eficiência. Liderança: Os líderes das organizações devem estabelecer um propósito e direcioná-lo. resultados semelhantes e previsíveis. Gerenciamento de Relacionamento: É Gerir as relações entre as partes interessadas. uma vez que a Norma ISO 9001:2008 não demonstrava alterações significativas ao . agregando valor ao trabalho a ser realizado. visando alcançar o sucesso proposto pela organização. tornam-se mais suscetíveis nos resultados apontados e desejados. portanto. a atualização da Norma ISO 9001 foi necessária para se adaptar à realidade das organizações. Obtém-se assim. conforme apontados abaixo: Cliente: A gestão da qualidade é focada em atender as necessidades dos clientes e superar as expectativas depositadas. Melhoria: Para uma organização alcançar o sucesso é necessário enfatizar e centrar todos os esforços na melhoria da gestão. Este é o momento de enfatizar a criação e as condições para que outros possam se envolver na realização dos procedimentos.

atualizando as informações e controlando-as. passa a ser discutido no 7. Segurança da Informação. . O diferencial do Anexo SL será entre o Padrão de Qualidade. A ISO 9001:2015 apresentará uma estrutura diferente da versão atual. facilitando a visualização e o entendimento acerca das novidades e mudanças. traz benefícios para a integração do Sistema de Gestão. conforme os apontamentos do Anexo SL. publicação e compartilhamento de uma mesma estrutura. Planejamento: visa alcançar uma maior amplitude e importância sobre o processo de planejamento de riscos e oportunidades. ou seja. Caberá a este documento. em paralelo com o planejamento. Controle de produtos e serviços externamente: passa a ser abordado pela ISO como “Compras”. manter todos os padrões da revisão. Gestão de documentos e registros: anteriormente tratada no capítulo 4. As mudanças enfrentadas pela qualidade profissional A Norma ISO 9001:2015 trará em suas abordagens.2. Ambiente. A Estrutura de Alto Nível por sua vez. conforme as relações citadas abaixo: Mudança na estrutura da regra / anexo SL Cada Norma do Sistema de Gestão possuirá uma característica singular. Continuidade na Inovação de Negócios “Business Innovation” sendo o resto das seções comum a todos. Neste capítulo são discutidos quais aspectos padrão deverão ser mantidos. assim como o que será criado. fazendo parte da “8. como: Melhoria: deixa de abordar a ação preventiva através de prazo.6 – Liberação de Produtos e Serviços”. correspondendo ao nome de Estrutura de Alto Nível. todo produto ou serviço liberado ao cliente deve ser finalizado com sucesso.5 com o nome de “Informação documentada”. novo cenário empresarial. Abastecimento: desaparece na ISO 9001:2015. Nesta nova estrutura algumas diferenças significativas no SG podem ser apontadas. significativas alterações a serem incluídas nos Sistemas de Gestão da Qualidade.17.

garantindo que os resultados almejados sejam alcançados. contendo dez requisitos essenciais na qualificação dos: • Insumos necessários e resultados esperados no processo. apresentar as alterações. • Oportunidades de melhoria no processo do sistema de gestão da qualidade. analisa com cuidado esta questão. fica a cargo de cada uma das unidades funcionais. residindo na Gestão e Controle de cada uma das interações. há o controle entre os processos e hierarquias funcionais das Organizações. mantendo as relações necessárias para garantir o funcionamento eficiente de todo o processo. A abordagem dada pela ISO 9001:2015. funcionalmente. permitindo atravessar as unidades funcionais com foco na unificação dos principais objetivos da organização.1. • Critérios e métodos que incluam medições e indicadores de desempenho. • Sequência e interação dos processos. ou seja. A ênfase dada à abordagem do processo tem sido uma ferramenta perfeita para operar e planejar as atividades das organizações. • Apontar os riscos e as conformidades de acordo com os requisitos da 6. • Requisitos e disponibilidade de recursos.ISO 9001:2015 . criando valores e interesses entre as partes interessadas. Caso seja necessário. a responsabilidade pelos resultados obtidos. • Atribuir responsabilidade e autoridade para todos os processos. Linguajar aplicável A regra continua a ser aplicável de acordo com . Uma vez que as Organizações atuem como unidades estruturadas. Observa-se como ponto vantajoso a abordagem no processo de Sistema de Gestão de Qualidade. • Aferir os métodos de avaliação e medição e avaliação dos processos.INTERPRETANDO AS MUDANÇAS Ênfase na abordagem de processo Na ISO 9001:2015 este conceito é abordado como uma sub cláusula com a nomenclatura “Gestão da Qualidade e seus Processos”. visando o planejamento e execução das ações adequadamente.

de acordo com as seguintes determinações: • Alinhar o planejamento estratégico ao planejamento do sistema de Gestão da Qualidade. de modo que haja uma ação preventiva no planejamento estratégico. missão. facilitando a compreensão e uniformização dos requisitos. refletindo com mais amplitude os riscos de uma organização. manutenção e melhoria no Sistema de Gestão da Qualidade. O objetivo é analisar a sua visão. assim como suas fraquezas. e expectativas das partes interessadas. ameaças e oportunidades. tais como a implementação. • Determinar o alcance de Gestão da Qualidade do Sistema. deixa-se claro. Além disso. • Enfatizar o Sistema de Gestão da Qualidade. Este procedimento analisa a necessidade que uma organização possui. Isso permitirá que os resultados alcançados. controlar os fornecedores através da análise. que o objetivo da ISO é garantir a Gestão da Organização da Qualidade. . • Compreender a organização e seu contexto. Sendo assim. tanto interna quanto externa. Desaparece o conceito de ação preventiva Haverá inclusão da análise de risco no programa de auditoria. sejam possíveis de homologação e assim. problemas ou mesmo questões que possam impactar no planejamento do Sistema de Gestão de Qualidade. Pensando com base no risco A ISO 9001:2015 agrupa de modo mais explícito todo o SG. • Compreender as necessidades O risco é pensado precisamente. possibilitando às organizações se adequarem conforme às suas necessidades. exige-se do setor designado a responsabilidade por uma linguagem simples.19. cada Organização. Analisando o contexto da organização É necessário considerar o fator socioeconômico da Organização e seu relacionamento direto com as partes interessadas. Porém. será possível através da ISO 9001:2015 definir junto ao fornecedor o gerenciamento de análise de risco. anteriormente. visando o seu contexto como um todo.

sindicatos. Ao longo de toda a Norma se fala em informação documentadas.INTERPRETANDO AS MUDANÇAS Os requisitos 4. que a ISO 31000 (Sistemas de Gestão de Riscos) poderá ser adotada como material de referência para determinar o controle de risco. governos. fornecendo produtos e serviços que cumpram os requisitos. a ISO 9001:2015 não está mais agregada às ações corretivas e às de não-conformidades. Não só falar de clientes. Sendo dever da Organização determinar tanto as partes interessadas quanto as suas exigências.1 que antes uniam o conceito da ação preventiva. com isso a mudança na gestão se fortalecerá na nova ISO 9001:2015. organização. Não se exige mais um Representante na Direção ISO 9001:2015 não exige . As partes interessadas são aquelas que podem afetar a capacidade da organização. estes agora. fazendo referência aos elementos que devem ser documentados em um Sistema de Gestão da Qualidade. embora não incluam qualquer cláusula. ou seja. embora desapareçam nos documentos e registros. a visão passa a ser macro e não mais processual. Contudo. não significa que as organizações não precisem mais usá-los. parceiros. mas de partes interessadas Busca-se estabelecer requisitos que atendam às necessidades e expectativas das partes interessadas. Conceito de informações documentadas O conceito é apresentado continuamente em toda a Norma. portanto. fornecedores. dentre outros. porém. passam a assessorar as organizações na análise de riscos e oportunidades com mais amplitude. Organização e Cliente. Cabe ressaltar que. realizando a análise de risco quando ocorrerem mudanças. de modo que sejam identificados os riscos com precisão e alcançados os resultados almejados. embora a ISO 9001:2015 não exija o Manual de Qualidade nos procedimentos documentados.1 e 6. estes podem ser clientes.ISO 9001:2015 . O objetivo é avaliar os aspectos internos e externos que sejam relevantes no propósito da organização. Salienta-se. sendo este. mas às Estruturas de Alto Nível que apresentam novas regras. Desse modo. um instrumento de prevenção. Tal ação foi fundamentada em um sistema de gestão que visa a “Ação Preventiva”.

No entanto. o capítulo “5 – Liderança”. envolvendo o tema “gerência sênior no Sistema de gestão”. conforme os exemplos citados abaixo: • As organizações podem excluir o papel de um representante da gerência. • As ações devem requerer competências do representante. Com o intuito de explicar melhor esse conceito.1. resguardar e manter todo o conhecimento necessário. Gestão do Conhecimento A gestão do conhecimento organizacional foi inclusa na nova ISO 9001:2015 no capítulo 7. Desse modo. as Organizações devem tratar os seus respectivos clientes/fornecedores como parceiros. uma vez que este possui valor agregado perante a Organização. uma vez que estes se incluem em algumas partes do processo.21. • Não é obrigatório extinguir a função de representante da gerência. aplicar o sistema de gestão em conjunto. de acordo com a ISO 9001:2008. propõe-se apenas o gerenciamento sênior que deve prestar contas ao Sistema de Gestão de Qualidade. A finalidade é demonstrar liderança e identificar riscos e oportunidades que possam afetar as conformidades dos produtos e serviços. mais um representante na direção. • Deve-se definir um método que garanta aos líderes da organização melhorias no gerenciamento dos requisitos. que determina o conhecimento necessário para o funcionamento da SGC. é possível garantir a conformidade dos produtos e serviços.6. de acordo com a ISO 9001:2008. Ênfase nos processos terceirizados A terceirização é um dos aspectos em destaques no capítulo “8. apresentando uma visão mais ampla. visando a satisfação do cliente e atribuindo responsabilidade para as organizações. tais como: assegurar.4 – Controle dos produtos e serviços fornecidos externamente”. devese levar em consideração a criticidade e a confiabilidade nos negócios. devendo. trata deste assunto com mais abrangência. parte importante na função de um representante da direção. Os critérios para a avaliação não serão iguais a todos. . Através da certificação ISO 9001:2015. portanto. é preciso que as organizações assumam o sistema de liderança da Alta Administração através da função “gestor”.

conforme forem definindo os trabalhos de execução. Esse procedimento permite a validação dos critérios adotados. competências e aplicá-las. mas garantirá que todo o processo seja executado com maestria e precisão.INTERPRETANDO AS MUDANÇAS Validar a competência do pessoal Caberá a cada membro da organização aplicar seu conhecimento adquirido. A Norma ISO 9001:2015 delibera que toda a organização deve fazer parte do processo. suas respectivas habilidades. a norma definirá não apenas os perfis e o plano de formação. incluindo-a como parte importante no sistema de gestão. .ISO 9001:2015 . Sendo assim.

uma vez que muitas organizações possuem seus planejamentos. as formalidades de abordagem às organizações serão influenciadas de acordo com contexto no qual se encontram. A adaptação da norma ISO 9001: 2015 O Fórum Internacional (IAF) e do Comitê ISO em Avaliação da conformidade (CASCO) concordaram que haverá um período de transição. A base dos requisitos das Normas ISO 9001:2008 e ISO/DIS9001 tem a “Matriz de Correspondência” como pano de fundo. prevista para Setembro de 2015. Devendo considerar o grau de conhecimento que cada organização requer para alcançar a conformidade dos produtos e serviços. Sendo assim. Certamente. considerando um período de adaptação do sistema de gestão existente e o modo como foi desenvolvido. mostrando claramente. Sendo assim. DIFERENÇAS ENTRE ISO 9001:2008 E ISO 9001:2015 É importante compreender a estruturação entre as duas normas ISO 2008 e ISO 2015. estruturados. nenhuma organização poderá . Cada organização terá tempo para se adequar e planejar funcionalmente. precisamente.23. quando estes forem credenciados. após a Publicação Oficial do Estado. assim como o modo de desenvolvimento do conhecimento adquirido. estabelecendo as correlações dos requisitos ISO/DIS 9001. 4. as correlações. O grau de mudança dependerá de cada organização. deverá ser considerado um período de adaptação. sendo possível apenas. Os Organismos de Certificação somente poderão conceder a Certificação. a partir da data de publicação da ISO 9001:2015. é preciso que todos os representantes estejam envolvidos em prol da certificação. podendo ser de três anos. Para que as organizações façam as modificações necessárias.

embora o documento continue Termo “Contínua”: Usar-se-á apenas o termo “Melhoria”. quanto a ação serão excluídas. Manual da Qualidade: As empresas não são mais obrigadas a terem um manual de qualidade. todas as certificações de Sistemas de Gestão da Qualidade que forem realizadas deverão manter relação com a ISO 9001:2015. visando procedimentos e melhorias sempre contínuas. E. desenvolvese um Plano de Implementação. • Todos os certificados anteriores a 2008 serão obsoletos. ação preventiva. existindo. As Organizações que podem renovar a certificação: • ISO 9001:2008: 36 meses após a publicação da ISO 9001:2015. Sugere-se que o termo “Manual” seja mudado para “Diretrizes Organizacionais”. Treinamento: A expressão “Treinamento” será excluída. tanto o termo. sendo que os demais requisitos ficarão agrupados no item “Competência”. os riscos e as oportunidades de cada organização. embora as atividades do RD se apresentem mais descentralizadas e atribuindo aos gestores das áreas mais responsabilidade. O termo a ser usado será “Conhecimento”. exigindo que se tenha conhecimento organizacional da empresa. Consequentemente.ISO 9001:2015 . Exclusões significativas Papel do Representante da Direção (RD): Dar-se-á mais poder de decisão às lideranças. a partir de março de 2017. • Organizações certificadas na ISO 9001:2008 enfrentam a transição para a nova versão. O objetivo na mudança do termo é que seja aplicada a ideia na sua totalidade. ou seja.INTERPRETANDO AS MUDANÇAS conceder certificações baseadas nas Normas ISO 9001:2015. mas não a ação. que as Organizações utilizem e apliquem corretamente o termo. Ação Preventiva: Na nova ISO. Controle de Documentos e Controle de Registros: Os termos serão substituídos por “Informação Documentada” e “Controle de Informação Documentada”. Será considerando o contexto. a complexidade. o porte. Visando identificar as deficiências na organização e a sua eficácia diante da implementação das novas exigências. .

• Aperfeiçoar a compatibilidade com outros sistemas de gestão. É importante considerar o risco e os seus elementos. quando estes se fizerem necessários. • Eliminar o manual de qualidade e um representante de gerência. . refletindo sobre as práticas empresariais modernas. assim como as mudanças no ambiente empresarial e tecnológico. o objetivo-chave para a nova proposta ISO 9001:2015 são: • Atualizar a norma ISO 9001. Sendo assim. • Enfatizar com mais intensidade a abordagem dos processos e análises dos objetivos. • Estruturação da Norma em 10 seções ou capítulos. • Incorporar mudanças nas práticas e tecnologia de SGQ a partir da última revisão em 2000. o Comitê Técnico e a Organização Internacional de Normalização envolveram especialistas e Entidades Certificadoras para a análise da ISO 9001:2008. • Documentar um sistema mais flexível. envolvendo toda a estratégia de gestão da qualidade. para que assim seja implementando estratégias eficazes para diminuir ou eliminar possíveis riscos. será necessário um bom planejamento. • Mudanças nos Princípios de qualidade. assim como a execução dos pontos mais importantes para verificação e implementação das ações.25. no qual constam mudanças notáveis. Portanto. CONCLUSÃO Com o intuito de buscar melhorias às organizações. passando de 8 itens para 7. • Destacar a obtenção de conformidades dos produtos. Toda a revisão da Norma tem como objetivo minimizar os impactos ao máximo. 5.

TABELA COMPARATIVA: ISO 9001:2008 VERSUS ISO 9001:2015 Para uma melhor compreensão das mudanças é interessante correlacionar a ISO 9001:2008 e a ISO 9001:2015.1 Compromisso da Direção 5.2 Política de Qualidade 5. autoridade e comunicação ISO 9001:2015 1 Alcance 2 Referências normativas 3 Condições e definições 4 Contexto da organização 4.4 Planejamento 5.ISO 9001:2015 .2.1 Visão Geral 4.4 Sistema de Gestão da Qualidade e seus processos 5 Liderança 5.1.4. responsabilidades e autoridades .2.2 Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade 5.2.3 Controle dos documentos 4.1 Objetivos da Qualidade 5.1 Requisitos gerais 4.2 Compreensão das necessidades e expectativas das partes interessadas 4.2 Requisitos das documentações 4.3 Política de Qualidade 5.1 Visão Geral 1. Compreender a organização e seu contexto 4. apresentando as modificações que ocorrerão em alguns dos seus capítulos.INTERPRETANDO AS MUDANÇAS 6.5 Responsabilidade.4 Controle dos Registros 5 Responsabilidade da Direção 5.1 Liderança e compromisso para o Sistema de Gestão da Qualidade 5.2.3 Papéis organizacionais.1 Liderança e compromisso 5.3 Determinar o escopo do Sistema de Gestão da Qualidade 4.4.2 Foco no cliente 5. ISO 9001:2008 1 Objeto e área de aplicação 1.2 Manual da Qualidade 4.1.2 Aplicação 2 Referências normativas 3 Condições e definições 4 Sistema de Gestão da Qualidade 4. ANEXO .

3.2.2 Representante da Direção 5. ISO 9001:2008 5.6.3 Comunicação interna 5.3 Resultados do Projeto e do Desenvolvimento 7.1.2 Elementos de entrada para projeto e desenvolvimento 7.4 Comunicação 7.1 Recursos 7.6 Validação do Projeto e do Desenvolvimento ISO 9001:2015 6 Planejamento do Sistema de gestão da Qualidade 6.1 Visão geral 6.1 Ações para enfrentar os riscos e as oportunidades 6.1.2 Competência 7.5.1 Planejamento do Projeto e desenvolvimento 7.2.2 Objetivos e planejamentos para alcance da qualidade 6.2 Pessoas 7.1.1 Provisão dos recursos 6.5.6 Revisão da Direção 5.3 Resultados da revisão 6 Gestão dos Recursos 6.1 Visão geral 7.3 Projeto e Desenvolvimento 7.6 Conhecimento organizacional 7.27.3.3 Infraestrutura 7.3 Mudanças planejadas 7 Apoio 7.5.1 Planejamento para produção do produto 7.5.5 Seguimento e medição dos recursos 7.2.2 Processos relacionados ao cliente 7.1 Visão Geral .4 Meio Ambiente e a área para funcionamento dos processos 7.5 Informação documentada 7.1.6.4 Revisão do Projeto e do Desenvolvimento 7.2 Recursos humanos 6.2.1.2 Competência.4 Ambiente de trabalho 7 Produção do Produto 7.3 Infraestrutura 6.5 Verificação do Projeto e do Desenvolvimento 7.3. formação e tomada de consciência 6.3 Comunicação com o cliente 7.1 Determinação dos requisitos relacionados ao produto 7.2.3.3.3.2 Entrada para a revisão 5.1 Responsabilidade e autoridade 5.1.3 Consciência 7.1 Visão Geral 5.6.2 Revisão dos requisitos relacionados ao produto 7.

4.5.3.2.3 Produto e desenvolvimento dos produto serviços 8.2 Validação dos processos da produção e da prestação de serviços 7.ISO 9001:2015 .2.2.5.5.5 Preservação do produto 7.INTERPRETANDO AS MUDANÇAS ISO 9001:2008 7.3 Revisão dos requisitos processos relacionados com os produtos e serviços 8.1 Visão Geral 8.8.5.2 Criação e atualização 7.3.2 Produto e desenvolvimento do Planejamento .3.3 Seguimento e medição dos 8.2.2.4 Análises de dados 8.4 Compras ISO 9001:2015 7.2 Determinação dos requisitos dos produtos e serviços 8.3 Verificação dos produtos comprados 7.2 Determinação dos requisitos relacionados com os produtos e serviços 8.7 Controle para alteração do projeto e desenvolvimento 7.3 Controle dos produtos não con.4 Propriedade do cliente 7.2 Auditoria interna 8.3 Identificação e monitoramento 7.7 Controle para alteração do projeto e desenvolvimento 7.3.5 Produção e prestação de serviços 7.2 Informação de compras 7. análise e melhorias 8 Funcionamento 8. monitoramento e medição de equipamentos 8 Medição.4.2 Seguimento e medição 8.6 Controle.2.1 Visão Geral forme 8.1 Processo de compras 7.3 Controle de informação documentada 7.5.2.1 Satisfação do cliente 8.5.1 Controle da produção e da prestação de serviços 7.4 Seguimento e medição do 8.1 Planejamento e controle operacional 8.5.4.1 Comunicação com o cliente 8.

5.5 Atividades posteriores à entrega 8.7 Controle dos processos não conformes e dos produtos e serviços 9 Avaliação de Desempenho 9.1 Visão Geral 9. análise e avaliação 9.3 Produto e desenvolvimento dos insumos 8.29.2 Controle no tipo de extensão de fornecimento externo 8.6 Controle das modificações 8.4 Produto e Desenvolvimento de controles 8.2 Satisfação do cliente 9.4.4 Controle dos produtos e dos serviços prestados externamente 8.5.4 Preservação 8.5.5.5 Produto e desenvolvimento de saídas 8.3 Análise e avaliação .1 Seguimento.3 Ação preventiva ISO 9001:2015 8.3. medição.3.1 Visão Geral 8.1.5 Melhorias 8.3.2 Identificação e monitoramento 8.3.1.5.4.5.2 Ação corretiva 8.1.5.5.6 Produto e desenvolvimento de mudanças 8.5 Produção e prestação de serviços 8.6 Lançamento dos produtos e serviços 8.5.3 Informação para fornecedores externos 8.1 Controle da produção do serviço 8.1 Melhoria contínua 8.3 Bens vinculados aos clientes ou fornecedores externos 8. ISO 9001:2008 8.4.

2 Política da qualidade 5.1.2. Não conformidades e ações corretivas 10. o termo DIS se refere a “Draft of International Standard”.1 Liderança e compromisso 5.0 Objetivos (escopo) 1. responsabilidades e autoridade dentro das organizações ISO 9001:2008 1.2 Compreensão das necessidades e expectativas das partes interessadas 4.2 Auditoria interna ISO 9.1 Visão Geral 10. segue o quadro com a versão DIS da ISO 9001 já finalizada. não é uma norma oficial.1 Conhecimento da Organização e seu contexto 4. Projeto de Norma Internacional.2.1 Compromisso da Direção 5.5.2 Foco no cliente 5.3 Revisão do Sistema de Gestão 10 Melhoria 10. Portanto.1 Responsabilidade e autoridade 5.2 Representante da Direção .3 Política da qualidade 5.ISO 9001:2015 .2 Aplicação 4.1 Liderança e compromisso com o Sistema de Gestão da Qualidade 5.1 Requisitos gerais 5 Responsabilidade da Direção 5.1 Visão geral 1.3 Funções. ou seja.1 Compromisso da Direção 5.2 Manual da qualidade 4 Sistema de Gestão da Qualidade 4.5.3 Determinação do plano do Sistema de gestão da qualidade 4.2 Foco no cliente 5.1. apenas um projeto para solicitação de alterações na qual ocorrerão análises e comentários das equipes.INTERPRETANDO AS MUDANÇAS ISO 9001:2008 ISO 9001:2015 9. visando melhorias pertinentes e ajustes finais. ISO/DIS 9001 4 Contexto Organizacional 4.3 Melhoria contínua Correlação dos requisitos ISO/DIS 9001 VERSUS ISO 9001:2008 Abaixo.1. Apenas a título de esclarecimento.1 Visão Geral 4.4 Sistema de Gestão da qualidade e seus processos 5 Liderança 5.

5 Informação documentada 7.2 Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade 5.5.2 Determinação dos requisitos relativos aos Produtos e serviços 8. formação e consciência 5.6 Controle das equipes de seguimento e medição NOVO 6.2. formação e consciência 6.2 Requisitos da documentação 4.2 Objetivos da qualidade e planejamento a serem cumpridos 6.1 Visão Geral 7.1 Ações para tratar riscos e oportunidades 6.2.5 Recursos de seguimento e medição 7.5. ISO/DIS 9001 6 Planejamento para o Sistema de Gestão da Qualidade 6.3 Comunicação interna 4.2.2 Processos relacionados ao cliente 7.1 Provisão dos recursos 6.1 Visão geral 6.2 Determinação dos requisitos para os produtos e serviços 8.3 Ação preventiva 5.2.3 Infraestrutura 6.1 Visão Geral 7.4.3 Revisão dos requisitos relacionados com os produtos e serviços 8.3 Conscientização 7.1.2 Competência.5.2.1 Provisão dos recursos 6.5.1 Recursos 7. Operacional ISO 9001:2008 5.2 Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade 6 Gestão dos Recursos 6 Gestão dos Recursos 6.4.2 Planejamento do Sistema de Gestão da Qualidade 8.3 Comunicação com o cliente 7.4.2.2.3 Controle dos documentos 4.1 Planejamento e controle operacional 8.5.1 Determinação dos requisitos relacionados ao produto 7.1 Comunicação com o cliente 8.1 Objetivos da qualidade 5.2.2.3 Controle da informação documentada 8.4 Controle dos registros 7 Realização do produto 7.6 Conhecimentos organizacionais 7.2 Pessoas 7.1 Visão Geral 4.2 Criação e Atualização 7.2.3 Infraestrutura 7.31.2.1.1.4 Comunicação 7.4.2 Competência.2 Competência 7.2.1 Planejamento e realização do Produto 7.2 Revisão dos requisitos relacionados com o produto 7 Realização do produto .3 Planejamento para mudanças 7 Suporte 7.4 Ambiente para a operação dos processos 7.1.1.4 Ambiente de trabalho 7.1.

5.2 Informação das compras 7.7 Controle das mudanças no desenvolvimento do projeto 7.3.INTERPRETANDO AS MUDANÇAS ISO/DIS 9001 8.1 Processo de compras 7.2 Determinação dos requisitos para os produtos e serviços 8.3.4 Revisão e desenvolvimento do projeto 7.4.5.2 Entrada de produtos para desenvolvimento do projeto 7.2.2.2 Revisão dos requisitos relacionados com o produto 7.3.3.3.3 Bens pertencentes aos clientes ou fornecedores externos 8.ISO 9001:2015 .1 Visão Geral 8.1 Processo de compra 7.5 Produção e prestação de serviços 7.5.4 Controle dos projetos e do desenvolvimento 8.3.1 Planejamento da realização do produto 7.4.3.1 Controle da produção e da prestação de serviço .3 Entrada de produtos para desenvolvimento do projeto 8.2 Tipo e extensão do controle para fornecimento externo 8.6 Validação do desenvolvimento do projeto 7.4.1 Planejamento e do produto e desenvolvimento 7.2.5 Atividades posteriores à entrega ISO 9001:2008 7.3.1 Controle da produção e da prestação de serviço 7.1 Visão Geral 8.3 Resultados do desenvolvimento do projeto 7.3 Verificação dos produtos comprados 7.5 Produção e prestação de serviços 8.4.2 Planejamento do produto e desenvolvimento 8.1 Controle da produção da prestação de serviço 8.4.2 Determinação dos requisitos relativos aos produtos e serviços 8.3 Revisão dos requisitos relacionados com o produtos e serviços 8.3 Identificação e monitoramento 7.3.3 produto e desenvolvimento: Produtos e serviços 8.2.4.1 Determinação dos requisitos relacionados com os produtos 7.3.3 Comunicação com o Cliente 7.2.5.3 Produto e desenvolvimento Novo 7.3.6 As mudanças no desenvolvimento do projeto 8.5.5.4 Bens dos clientes 7.3 Informação para os fornecedores externos 8.1 Planejamento e controle operacional 8.1 Processo de compras 7.4.5 Elementos de saída do desenvolvimento do projeto 8.5.4 Controle dos produtos e serviços fornecidos externamente 8.2.3.4 Preservação 8.5.5.5 Verificação do desenvolvimento do projeto 7.4.3.2 Identificação e monitoramento 8.1 Comunicação com o cliente 8.5.2 Processos relacionados ao cliente 7.5 Preservação do produto 7.

1 Visão Geral 8.5. medição. ISO/DIS 9001 8.2 Auditoria interna 5.6 Liberação dos produtos e dos serviços 8.3.1 Visão Geral 9.1 Melhoria contínua 8.1 Seguimento.7 Controle dos produtos de saída e do processo dos produtos e serviços não conformes 9 Avaliação de desempenho 9.5.1.2.2 Satisfação do cliente 9.33.1.1 Melhoria contínua .1 Satisfação do cliente 8.2 Auditoria interna 9.3 Revisão realizada pela Direção 10 Melhoria 10.7 Controle da operação dos projetos e do desenvolvimento 8.6 Controle das mudanças 8.2.1 Visão Geral 10. análise e melhoria 8.3 Verificação dos produtos comprados 8.3 Controle dos produtos não conformes Novo 8 Medição.3 Análises e avaliação 9.2.1.5.5.3 Melhoria contínua ISO 9001:2008 7.5 Melhoria 8.4.4 Seguimento e medição dos produtos 7.2 Não Conformidade e ações corretivas 10.2 Ação Corretiva 8.6 Revisão realizada pela Direção 8. análises e avaliação 9.3 Controle dos produtos não conformes 8.4 Análises dos dados 8.